BRASÍLIA (Reuters) - O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o julgamento de um pedido vindo da Argentina para a extradição de um militar aposentado do Uruguai acusado de praticar crimes contra a humanidade durante as ditaduras que controlaram a região na década de 70. O processo contra o coronel Manuel Cordero foi suspenso na noite de quinta-feira a pedido do ministro Eros Grau, que pediu mais tempo para analisar o caso, disse em um comunicado o STF.

Grau havia votado pelo rechaço do pedido de extradição em setembro, antes de que fosse apresentada uma solicitação anterior de suspensão do procedimento.

O Uruguai também requereu a extradição de Cordero, mas o STF descartou esse pedido por considerar que os delitos imputados ao acusado foram cometidos na Argentina, afirmou o tribunal.

O STF não estabeleceu ainda nenhuma data para a retomada do processo.

O militar uruguaio é acusado de envolvimento no sumiço de dez pessoas, além do sequestro de um menor de idade, durante a chamada Operação Condor, arquitetada na década de 70 pelas ditaduras que governavam os países do Cone Sul a fim de reprimir militantes da oposição.

Antes da suspensão do processo, na quinta-feira, cinco ministros já haviam se manifestado a favor do pedido de extradição e três, contra.

O ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso, tinha votado em setembro pela denegação do pedido de extradição já que, segundo argumentou, os delitos de desaparecimento e sequestro haviam prescrito.

Naquele momento, antes de um recesso, três outros ministros acompanharam o voto dele, mas a ministra Carmem Lúcia Antunes Rocha mudou de opinião na quinta-feira, discordando do voto do relator, afirmou o comunicado do STF.

(Reportagem de Julio Villaverde)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.