Sri Lanka vai reassentar 80% dos refugiados neste ano, diz ONU

Por Ranga Sirilal COLOMBO (Reuters) - O Sri Lanka ainda tem como meta liberar entre 70 e 80 por cento dos refugiados de guerra até o fim do ano, disse a principal autoridade política da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira, mas expressou preocupação com a falta de liberdade nos campos para as pessoas deslocadas pelo conflito.

Reuters |

Lynn Pascoe, diretora do departamento de assuntos políticos da ONU, visitou a ilha no Oceano Índico para pressionar o governo a deixar os refugiados voltarem para suas casas, como resultado de sua vitória em maio sobre o grupo separatista Tigres Tâmeis depois de 25 anos de guerra.

Grupos de defesa dos direitos humanos acusam as autoridades locais de tratarem de modo precário as pessoas nos campos e de mantê-las ali por mais tempo do que o necessário.

O Sri Lanka diz que precisa remover milhares de minas terrestres e separar rebeldes que permanecem escondidos entre a população civil antes de poder cumprir sua promessa de reassentar 80 por cento das 280 mil pessoas da etnia Tamil que estão em campos de refugiados.

"Eles (o governo) nos disseram que mantêm sua meta fixada anteriormente de remover dos campos de 70 a 80 por cento das pessoas deslocadas e enviá-las para suas casas até o fim do ano", afirmou Pascoe aos repórteres.

Na quinta-feira, Pascoe fez uma visita a Menik Farm, o campo no norte do Sri Lanka onde é mantida a maioria das pessoas que fugiram dos combates no fim da guerra civil.

"É evidente que o governo está se esforçando, mas nós temos fortes preocupações quanto a vários aspectos", disse Pascoe. "Primeiro, as Nações Unidas estão muito preocupadas com a falta de liberdade de movimento das pessoas deslocadas e, em especial, a natureza fechada dos campos."

Pascoe também disse ter expressado preocupação com a detenção de dois cingaleses membros da equipe da ONU e a expulsão de um porta-voz da Unicef, a entidade da organização para a infância.

Refugiados e o governo disseram na quinta-feira que pelo menos metade dos 10 mil refugiados de guerra que as autoridades do Sri Lanka haviam dito terem enviado para suas casas na semana passada ainda está sendo mantida em campos transitórios em seus distritos natais.

O governo informou ter liberado 15 mil refugiados desde que a guerra terminou, em meados de maio. Dados da ONU indicam que aproximadamente 12 mil puderam voltar para casa, metade dos quais são idosos enviados para casas de repouso ou para suas famílias.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG