JERUSALÉM - A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, afirmou nesta terça-feira, em visita a Jerusalém, que a solução para o conflito no Oriente Médio passa de forma inevitável pela existência de dois Estados, um palestino e outro israelense. A chefe da diplomacia dos EUA pediu um cessar-fogo duradouro na Faixa de Gaza como um primeiro passo para a paz na região.


Clique para ver o infográfico


Hillary fez as declarações em uma coletiva de imprensa conjunta com a atual ministra das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, que também defende o conceito de dois Estados, ao contrário do primeiro-ministro designado, Benjamin Netanyahu.

Antes de se encontrar com Livni, Hillary se reuniu com o presidente israelense, Shimon Peres, e afirmou que o país conta com o "apoio inabalável" dos EUA. "Quero enfatizar a contínua força da nossa relação e nosso compromisso inflexível com a segurança de Israel", disse.

AP
Hillary ganhou flores e um beijo de Peres
Hillary ganhou flores e beijos de Peres

A secretária de Estado chegou a Jerusalém vinda do Egito, onde uma conferência em Sharm el-Sheikh entre doadores internacionais resultou na promessa de doação de quase US$ 4,5 bilhões para a reconstrução da Faixa de Gaza.

"Durante a conferência, destaquei o compromisso do presidente Obama e o meu compromisso com o trabalho por uma solução de dois Estados para o conflito entre Israel e os palestinos", disse, exigindo, também, um fim aos ataques com foguetes do Hamas contra Israel.

"Os ataques contínuos com foguetes contra Israel precisam parar. Assim como Shimon (Peres), não entendo a provocação que o Hamas está determinado a apresentar, mas, em nome do povo que está na Faixa de Gaza, estes ataques com foguetes são cínicos, não há dúvidas de que qualquer país, incluindo Israel, não pode ficar passivo enquanto seu território e seu povo sofrem com ataques de foguetes", disse.

Hillary está mantendo reuniões preliminares para tentar encontrar formas de avançar as negociações para um acordo de paz final entre israelenses e palestinos. Mas, com Israel ainda passando pelo processo de formação de governo, poucos analistas preveem progresso nestas negociações.

Ela ainda vai se reunir separadamente com o primeiro-ministro designado Benjamin Netanyahu e o primeiro-ministro interino Ehud Olmert. Na quarta-feira, encontra o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, na Cisjordânia.

(Com informações da AFP e da BBC)

Leia também:


Leia mais sobre Israel

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.