Soldados que foram cobaias de experimentos processam Exército israelense

Um grupo de 64 soldados israelenses da reserva entrou com um processo contra o Exército do país, exigindo indenização de 18 milhões de shekels (cerca de R$ 9 milhões), por danos sofridos em consequência de um experimento com um antídoto contra antraz, ao qual foram submetidos durante o serviço militar. O experimento, denominado Projeto Omar 2 e iniciado há dez anos, envolveu cerca de 600 soldados, de ambos os sexos.

BBC Brasil |

O antraz é uma doença infecciosa aguda causada por uma bactéria e utilizada em armas biológicas.

Os soldados, que entraram com a ação coletiva em um tribunal da cidade de Petach Tikva, afirmam que não receberam todas as informações relevantes sobre os possíveis riscos que correriam, para poder decidir de maneira livre e racional se queriam participar do experimento.

Além do pagamento de indenização, os soldados também exigem que o Exército revele exatamente quais eram os componentes das injeções que receberam para que possam tratar devidamente os efeitos colaterais que passaram a sofrer.

'Controle rígido'
O Ministério da Defesa declarou que "o experimento Omar 2 foi realizado segundo os padrões aceitos internacionalmente e com a participação de médicos capacitados e reconhecidos, sob um controle rígido".

O ministério também afirmou que deu a todos os participantes no experimento a "possibilidade de abrir um processo pelo reconhecimento de invalidez, caso tenha sido consequência do experimento".

Segundo o ministério, apenas 11 processos foram apresentados ao Departamento de Reabilitação do Exército.

Uma das líderes do grupo, a tenente da reserva Dorit Tahan, disse ao site de noticias Walla que "o Exército se nega a assumir a responsabilidade pela vida dos soldados e menospreza o valor da vida humana".

De acordo com Tahan, os soldados não tiveram outra alternativa exceto se dirigir à Justiça para "dar uma lição ao Exército sobre responsabilidade por vidas humanas".

A tenente também exortou todos os soldados que foram submetidos aos experimentos a se comunicarem com o grupo.

Efeitos colaterais
Vários dos soldados que participaram do experimento relataram que, logo depois de tomar as primeiras injeções, começaram a sofrer problemas respiratórios,de pele, no sistema digestivo, febre alta e fortes dores de cabeça e dores musculares.

As vítimas afirmam que também sofreram danos emocionais, acusam o Exército de ter utilizado seus corpos de maneira ilegítima e exigem ainda que o Exército arque com todas as despesas do tratamento médico para elas e seus filhos e suspenda totalmente os experimentos médicos feitos com soldados.

Segundo os soldados, efeitos colaterais do experimento também podem passar de pais para filhos.

De acordo com o processo, as autoridades militares tinham pedido total sigilo sobre os experimentos aos soldados.

As autoridades também disseram que a bactéria do antraz significava uma ameaça existencial para os cidadãos israelenses e que a participação no experimento tinha uma "alta importância nacional" por estarem ajudando na produção de um antídoto eficaz contra a doença.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG