Soldados dos EUA abandonam posto no Afeganistão

Soldados americanos e afegãos abandonaram um vilarejo no leste do Afeganistão onde militantes haviam matado nove soldados dos Estados Unidos e ferido outros em um ataque no domingo. Uma declaração informou que a base do vilarejo de Wanat era temporária.

BBC Brasil |

"Confirmamos que deixamos nosso posto avançado em Wanat", afirmou o porta-voz da Otan, Mark Laity.

O posto avançado tinha sido construído dias antes do ataque de domingo.

A Força Internacional de Assistência em Segurança da Otan (Isaf, na sigla em inglês) disse que, apesar do fechamento do posto, haverá uma "presença contínua" na área, com patrulhas e o uso de forças de segurança afegãs.

Omar Sami Taza, porta voz do governo do Nuristão, onde fica o vilarejo, disse que os soldados americanos se retiraram da área "deixando o distrito nas mãos de apenas 20 policiais".

"Os soldados americanos levaram todas as armas pesadas para fora do distrito", disse Taza à BBC.

"Por isso perdemos o distrito para o Talebã, nossa polícia não podia defendê-lo com apenas um AK-47."
"Nossa polícia ainda está no distrito, os anciãos estão dando apoio. Nós não perdemos nosso distrito", disse o delegado de polícia local Hazarat Ali à BBC.

O ataque
Segundo o correspondente da BBC em Cabul Alastair Leithead, o ataque de domingo, que deixou nove soldados americanos mortos, foi o maior número de mortos em batalha entre os americanos no Afeganistão desde o início das operações em 2001.

Pelo menos cem insurgentes - algumas informações falam em 200 - invadiram o pequeno posto avançado de combate no domingo.

Alguns militantes conseguiram, por algum tempo, avançar sobre as defesas e entrar na base temporária.

De acordo com Leithead existem muitos destes pequenos postos avançados espalhados pelo leste do Afeganistão, como parte da estratégia americana de combate aos insurgentes.

O correspondente afirma que a idéia é fazer com que pequenos grupos de soldados internacionais, junto com as forças de segurança afegãs, tenham uma presença permanente para criar mais confiança junto aos moradores destas regiões e mostrar que eles podem fazer a segurança do local, ao invés de apenas visitar a área em patrulhas.

O problema para a Otan é que há o risco destes grupos serem superados em números de soldados e atacados.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG