Soldados acusam Exército israelense de coerção religiosa

Polêmica foi aberta após batalhão ter sido levado para rezar no Muro das Lamentações

BBC Brasil |

selo

Soldados do Exército israelense acusaram a corporação de práticas de coerção religiosa, em um episódio que reabriu as discussões em torno do polêmico vínculo entre religião e Forças Armadas. Segundo as notícias que começaram a veicular neste domingo, um batalhão do Exército israelense foi levado para rezar junto ao Muro das Lamentações, em Jerusalém, após uma operação militar na região da Faixa de Gaza.

O Muro das Lamentações é considerado o lugar mais sagrado para a religião judaica e, segundo a tradição, é uma parede que restou do antigo Templo de Jerusalém. A viagem teve como objetivo fazer uma oração de agradecimento por terem saído vivos da ação militar. Um porta-voz do Exército declarou que os soldados "não foram obrigados a rezar". No entanto, subalternos que falaram à mídia israelense sob condição de anonimato disseram ter tido medo de desobedecer às ordens dos comandantes e participado da cerimônia religiosa contra a própria vontade.

Neste domingo, o ex-chefe do setor de Educação do Exército, general da reserva Nehemia Dagan, disse à radio estatal Kol Israel que os comandantes responsáveis pela decisão de levar o batalhão para a oração devem ser demitidos imediatamente.

A repórter para assuntos militares Carmela Menashe, disse que os soldados jovens "não teriam coragem de desobedecer as instruções dos comandantes e todos receberam em mãos o texto da oração". Para a mãe de um soldado secular que falou com a radio estatal, a mensagem que o Exército passa aos jovens soldados é de que "não importa o que eles façam, pois seu destino está nas mãos de Deus".

Vínculo polêmico

O vínculo entre Exército e religião desperta uma intensa polêmica na sociedade israelense, pois todos os jovens do país, tanto homens como mulheres, são obrigados a prestar serviço militar ao completar 18 anos, à exceção dos jovens árabes-israelenses. A grande maioria dos soldados é de seculares, pois jovens ultraortodoxos geralmente são liberados do serviço militar para estudar em seminários rabínicos.

Outro setor do público religioso, os denominados nacionalistas-religiosos, presta serviço militar, mas constitui minoria dentro do Exército. No entanto, nos últimos anos, soldados nacionalistas-religiosos, com forte motivação ideológica, têm conquistado altas posições de comando em diversas unidades de elite e assim tornam-se mais influentes nas decisões do Exército.

Há poucos dias o chefe do Estado Maior, general Benny Gantz, que é secular, também gerou polêmica ao alterar o texto tradicionalmente lido nas cerimônias anuais em memória dos soldados mortos. O texto original, que dizia que "o povo de Israel vai sempre lembrar dos soldados que sacrificaram suas vidas", foi alterado para "Deus vai sempre lembrar...".

A alteração provocou protestos na sociedade e Gantz foi acusado de ter contribuído para transformar Israel em um Estado "fundamentalista". Em decorrência dos protestos, o general resolveu nomear uma comissão militar para discutir a formulação do texto.

    Leia tudo sobre: Israelfronteirasexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG