Soldado suspeito de colaborar com WikiLeaks reclama da prisão

Advogado de Bradley Manning apresentou queixa e solicitou condições de encarceramento menos drásticas para militar americano

AFP |

O soldado americano suspeito de ter facilitado o acesso a telegramas diplomáticos dos Estados Unidos ao site WikiLeaks, Bradley Manning, apresentou uma queixa contra as condições de sua detenção, isolamento e a vigilância constante dos guardas, anunciou seu advogado na sexta-feira.

David Coombs, advogado de Manning, apresentou a queixa ao comandante da base militar de Quantico, no Estado americano da Virgínia - onde está detido - a fim de que se realize uma investigação em virtude da lei marcial.

Coombs solicita que seu cliente seja colocado em condições de encarceramento menos drásticas, que seja retirado de sua cela de isolamento e deixe de ficar sob "vigilância antissuicídio" e "vigilância para prevenir ferimentos".

Na queixa, apresentada na quarta-feira e divulgada nesta sexta-feira, através do blog de Coombs, o advogado explica que vários especialistas psiquiátricos recomendam que Manning não fique trancado em condições de segurança máxima.

Bradley Manning foi detido em julho de 2010 e é a única pessoa processada nos Estados Unidos por causa das revelações feitas no WikiLeaks, fundado pelo australiano Julian Assange.

Segundo seu advogado, Manning deve permanecer em sua cela 23 horas por dia, não tem direito a lençóis ou travesseiro e um guarda pergunta sobre seu estado de ânimo "a cada 5 minutos".

    Leia tudo sobre: documentos diplomáticosWikileaksEUABradley Manning

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG