Soldado norte-americano usa Corão para praticar tiros no Iraque

Por Khaled al-Ansary BAGDÁ (Reuters) - Comandantes do Exército dos Estados Unidos pediram desculpas a líderes comunitários no Iraque após um soldado norte-americano usar uma cópia do Corão para praticar tiro ao alvo. As autoridades tentam conter uma revolta dos iraquianos aliados aos Estados Unidos.

Reuters |

Protestos violentos já ocorreram no mundo muçulmano quando a fé islâmica é insultada. O pedido de desculpas dos comandantes aparentemente tenta evitar reação similar no Iraque.

Os militares norte-americanos disseram no domingo que o soldado, que não foi identificado, foi punido e recebeu ordem para deixar o Iraque após a cópia do livro sagrado muçulmano ter sido encontrada com buracos de bala em Bagdá no dia 11 de maio.

Imagens obtidas pela Reuters mostram o livro com ao menos 10 buracos de bala.

O incidente é profundamente embaraçoso para o Exército dos Estados Unidos, que vem trabalhando para fazer alianças com tribos árabes sunitas para combater a al Qaeda no Iraque. Essas alianças estariam ajudando a reduzir drasticamente a violência no país, segundo o Exército.

Um líder comunitário iraquiano disse à Reuters que o pedido de desculpas pelo alto comando militar dos Estados Unidos ajudou a acalmar as tensões.

'Eu estava sentindo amargor, mas com o pedido de desculpas nós estamos bem com eles. Nossa revolta diminuiu', disse Saeed al-Zubaie, chefe de um conselho árabe sunita aliado aos Estados Unidos em Radwaniya, perto de Bagdá, onde o Corão foi encontrado.

O canal de televisão norte-americano CNN afirmou que o general Jeffery Hammond, comandante das tropas em Bagdá, e outros oficiais encontraram centenas de manifestantes quando visitaram Radwaniya para o pedido de desculpas no sábado.

'Eu sou um homem com honra, eu sou um homem de caráter. Eu dou a minha palavra de que isso nunca vai acontecer de novo', disse Hammond à multidão, segundo a CNN.

O coronel Bill Buckner, porta-voz do Exército, descreveu o incidente como 'sério e profundamente preocupante.'

(Reportagem adicional de Dean Yates)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG