Santo Domingo, 13 dez (EFE).- A Marinha de Guerra dominicana anunciou hoje que submeteu à justiça os integrantes de uma quadrilha dedicada ao tráfico de imigrantes ilegais para Porto Rico, da qual fazem parte dois sobreviventes de um naufrágio no mês passado, no qual morreram 49 pessoas.

Segundo a Marinha dominicana, Diomito Rodríguez Santos e Reynaldo Ramírez Gil, os dois sobreviventes da frágil embarcação que naufragou no mar Caribe, integram a quadrilha, formada por dominicanos residentes nos Estados Unidos.

As conclusões são resultado da investigação em torno de Rosa Nilda Hinojosa Javier ou Rosa Javier de Cabrera, mulher de Rodríguez Santos, quem foi detida após uma revista em sua residência onde se encontraram evidências de sua "ativa" participação na organização de viagens ilegais.

De acordo com a Marinha, Hinojosa Javier recrutou dezenas de pessoas no município de Villa Riva, na província de Duarte (nordeste), que pagaram somas ainda não determinadas de dinheiro para fazer a frustrada viagem em um yola (um tipo de embarcação muito ligeira impulsionada a remo e com vela).

Além dos dois sobreviventes e da mulher, a Marinha submeteu à justiça os foragidos Paulino Cedeño, Ramón Rafael Carrión Brito, e dois homens só conhecidos pelos apelidos de "Cego" e "Leo".

Os sobreviventes Rodríguez Santos e Ramírez Gil foram resgatados em 5 de dezembro passado na cosa do Haiti após permanecerem 35 dias em alto-mar, após o naufrágio. EFE rs/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.