Sobrevivente de desastre aéreo em Madri diz que voltou a nascer

BOGOTÁ (Reuters) - A colombiana Ligia Palomino, um dos poucos sobreviventes do acidente de quarta-feira com o avião da Spanair, no aeroporto de Barajas, em Madri, afirmou um dia depois que tinha voltado a nascer e agradeceu a deus por estar viva. O acidente com a aeronave MD-82 aconteceu durante a decolagem e provocou a morte de 153 pessoas, no pior desastre da aviação espanhola desde 1983.

Reuters |

'Esta é uma oportunidade que deus me deu. Voltei a nascer e tenho que fazer muitas coisas grandes com minha vida', afirmou à Rádio Caracol a médica de 42 anos de idade, que se recupera em um hospital de Madri de uma cirurgia na perna esquerda.

Palomino, que se define como uma mulher profundamente religiosa, disse que, de alguma maneira, deus compensou-lhe pelo que faz todos os dias, salvando vidas, e contou ter ajudado as vítimas do atentado de 11 de março de 2004 na estação ferroviária de Atocha, na capital espanhola.

A colombiana viajava rumo à ilha Gran Canaria para comemorar seu aniversário com o marido, que também sobreviveu, e sua cunhada, que morreu no acidente.

Palomino, filha de um jornalista colombiano que buscou asilo na Espanha 20 anos atrás porque corria risco de morte, lembrou que o piloto avisou sobre a falha que o fez abortar uma primeira tentativa de decolagem.

Pouco depois, a aeronave passou por uma revisão que obrigou os passageiros a saírem dela. Em uma segunda tentativa, o avião acabou caindo a poucos metros da pista e pegou fogo.

A médica contou que o aparelho chacoalhou de um lado para o outro de forma irregular poucos segundos depois de levantar vôo.

'Não nos mandaram outro avião conforme esperávamos. Ele decolou e senti como se ele escorregasse para um lado e depois para o outro. Logo aconteceu uma explosão, vi fogo e senti muito calor. Lembro que havia uma menina me pedindo ajuda e eu não conseguia me mexer. Para mim, foi horrível não conseguir me mexer porque estou acostumada a trabalhar como médica', contou.

'Depois eu saí da minha cadeira. Ao meu redor, via muitos destroços, via fumaça, um incêndio. Sentia o calor e via pessoas na parte do rio (que há perto da pista)', disse.

Equipes de emergência informaram que os cerca de 30 sobreviventes do acidente foram resgatados em sua maioria do pequeno riacho.

Com o passar das horas, muitos deles foram morrendo devido à gravidade de seus ferimentos. O total de pessoas presentes no avião que sobreviveram é atualmente de 19.

Palomino contou que, depois de ser resgatada e ainda dentro de uma ambulância, ligou de um celular para sua irmã gêmea, Fernanda, dizendo-lhe que havia sobrevivido ao desastre.

(Por Luis Jaime Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG