Sobe para 85 o número de mortos pelas chuvas no sudeste do Brasil

(Atualiza com a localização de mais três corpos). Rio de Janeiro, 4 jan (EFE).- A localização de mais três corpos entre toneladas de lama e escombros do deslizamento de terra registrado no centro de Angra dos Reis elevou para 85 o número de vítimas das chuvas que caem na região sudeste do Brasil desde 31 de dezembro, segundo números oficiais.

EFE |

Conforme as autoridades, até agora foram registradas 72 mortes no estado do Rio de Janeiro, dez em São Paulo e três em Minas Gerais.

Os três estados, no sudeste do país, são os mais populosos e industrializados do Brasil.

As regiões mais afetadas são Angra dos Reis, no litoral sul do estado do Rio de Janeiro, e Ilha Grande, um destino turístico a 21 quilômetros de Angra dos Reis, onde os deslizamentos destruíram várias casas e parte de uma pousada na madrugada do Ano Novo.

Segundo o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, 29 corpos foram recolhidos na encosta que veio abaixo em Ilha Grande e outros 21 do deslizamento registrado em Angra dos Reis, o que fez subir para 50 o número total de vítimas na região.

Após quatro dias de remoção de lama e escombros, os bombeiros ainda procuram três desaparecidos em Ilha Grande, entre estes dois turistas, e outro desaparecido em Angra dos Reis.

As buscas em Ilha Grande estão concentradas na Praia do Bananal.

Na localidade, um deslizamento abriu um buraco na montanha, destruindo sete casas e uma das pousadas mais luxuosas da região.

Em Angra dos Reis, os bombeiros concentram os trabalhos no Morro da Carioca, onde o deslizamento arrastou várias imóveis residenciais construídos em áreas de risco.

O vice-prefeito de Angra dos Reis, Essiomar Gomes, anunciou hoje que pelo menos 80 casas no Morro da Carioca serão demolidas porque estão em áreas de risco e que seus moradores serão levados para outros bairros da cidade.

De acordo com Gomes, a Caixa Econômica Federal se comprometeu em liberar recursos para construir 550 casas para colocar as famílias que construíram suas moradias nos morros em que podem ocorrer deslizamentos.

Gomes afirmou que os cálculos preliminares indicam que as chuvas dos últimos dias provocaram perdas que chegaram a cerca de R$ 250 milhões, sem contar as perdas das receitas que o município deixará de receber pela redução dos turistas no período de maior procura.

Os corpos das últimas vítimas em Angra dos Reis foram encontrados com a ajuda de cães treinados e de retroescaveiras usadas para retirar toneladas de escombros.

As mortes em São Paulo foram também foram provocadas por deslizamentos de terras nos municípios de Cunha, onde seis pessoas de uma mesma família que passavam as festas de final de ano em uma casa de campo morreram, e em Guararema, onde as quatro vítimas também eram de uma mesma família.

As vítimas em Juiz de Fora, município do estado de Minas Gerais, foram três idosos que viviam em uma residência atingida pelo deslizamento de terras. EFE cm/dm/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG