ROMA - O número de mortos no terremoto que atingiu a região de Abruzzo, na Itália, subiu para 235, de acordo com a estimativa oficial divulgada nesta terça-feira pelo centro de coordenação da Defesa Civil na cidade italiana de LAquila, uma das mais afetadas pelo tremor.


No momento, tanto os sobreviventes como as pessoas que trabalham nas buscas e assistência temem os novos abalos sísmicos, que poderiam dificultar os trabalhos, além de causar novas vítimas.

Nesta terça-feira, um novo abalo sísmico, com intensidade de 5,3 graus na escala Richter, assustou os milhares de desabrigados da região de Abruzzo, já devastada por um terremoto na segunda-feira.

Segundo a Defesa Civil italiana, houve diversos tremores ao longo do dia, mas o registrado às 19h42 (horário local) foi quase tão forte quanto o que atingiu a região na madrugada da segunda-feira, que atingiu 6,3 graus na escala Richter.

AP
Igreja de Santa Maria Paganica, em L'Aquila, foi destruída

Igreja de Santa Maria Paganica, em L'Aquila, foi destruída

O novo terremoto também foi sentido em Roma. Pessoas assustadas chegaram a sair nas ruas, sem saber o que deveriam fazer. Em L'Aquila, epicentro do terremoto de segunda-feira, houve pânico entre os milhares de desabrigados, que estão alojados em cinco acampamentos.

Em depoimentos à TV italiana, algumas pessoas disseram estar com medo que haja outros tremores durante a noite. Todos foram proibidos de se aproximar do centro de L'Aquila, para evitar ferimentos provocados por prédios que estão prestes a desabar.

Alguns edifícios que corriam risco de desabamento por causa do terremoto de segunda-feira desmoronaram com o último abalo, entre eles a cúpula da basílica das Almas Santas, a principal da cidade.

O presidente da região de Abruzzo, Gianni Chiodi, afirmou nesta terça-feira que cerca de 25 mil pessoas não poderão mais voltar para suas casas. "Um evento sem precedentes", disse.

De acordo com o sismólogo Giuseppe Luongo, da Universidade Federico 2 , de Nápoles, o tremor de terra desta terça-feira, cujo ponto central foi localizado a leste de Áquila, pode não ter ligação com o terremoto de segunda-feira.

Segundo Luongo, poderia se tratar de um evento isolado, e sua forte intensidade pode significar que a atividade sísmica é maior do que o previsto.

"Podemos estar diante de um nível de atividade maior em relação ao que inicialmente pensávamos e, neste caso, pode haver outros tremores intensos", disse o pesquisador a agências italianas.

Leia também:


Leia mais sobre terremoto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.