Sobe o número de desaparecidos por inundações na Ilha da Madeira

Por Miguel Pereira FUNCHAL, Portugal (Reuters) - O número de pessoas desaparecidas após as inundações na Ilha da Madeira aumentou para 32, muito superior à estimativa anterior de quatro, enquanto se restabelecia as comunicações, disseram as autoridades nesta segunda-feira.

Reuters |

Com isso, aumentam os temores de que o total de mortos, atualmente em 42, no pior desastre natural sofrido por Portugal em décadas cresça drasticamente.

"O número de desaparecidos cresceu porque com o restabelecimento das comunicações, as pessoas começaram a dar informações sobre parentes desaparecidos", explicou a jornalistas o vice-presidente do governo semiautônomo de Madeira, João Cunha e Silva.

Ele também confirmou a morte de 42 pessoas e disse que 370 ficaram desabrigadas na ilha, que recebe milhares de turistas por ano.

Os funcionários dos serviços de resgate retiravam os escombros para encontrar sobreviventes e limpar a área depois das chuvas torrenciais que no sábado transformaram córregos em rios, que varreram a capital da ilha, virando carros, destruindo casas e bloqueando estradas.

Os esforços se concentraram, em princípio, na capital Funchal, mas conforme as estradas foram sendo reabertas, ficou evidente que as inundações também afetaram os povoados do interior da ilha montanhosa.

O governo de Portugal prometeu enviar rapidamente ajuda econômica a Madeira.

"Em nível nacional e em nível da União Europeia colocaremos em prática toda a ajuda necessária", afirmou a jornalistas o ministro do Interior, Rui Pereira, depois de uma reunião especial do gabinete que declarou três dias de luto.

Um britânico morreu no desastre, que registrou a pior perda de vidas no país desde que uma ponte caiu sobre o Rio Douro e deixou 59 mortos, em 2001.

O jogador de futebol do Real Madrid Cristiano Ronaldo, o filho mais famoso da ilha, disse que jogará uma partida beneficente para Madeira organizada pelo campeão português, o Porto.

(Por Miguel Pereira, com reportagem adicional de Axel Bugge)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG