Sobe a 184 o número de mortos em confrontos étnicos na China

Os distúrbios em Urumqi, a capital da região de Xinjiang (noroeste da China), causaram 184 mortos, segundo novo número oficial divulgado às primeiras horas deste sábado, hora local, pela agência oficial Xinhua, citando o governo regional.

Redação com agências internacionais |


Em Washington, a dissidente uigur no exílio, Rebiya Kadeer, considerou que milhares de pessoas poderiam ter sido mortas durante a violência étnica dos últimos dias em Xinjiang, uma região onde vivem 8,3 milhões de muçulmanos uigures, de língua turca.

Manifestação de uigures

A polícia antimotim chinesa dispersou uma pequena manifestação de uigures que deixavam as orações de sexta-feira na vizinhança muçulmana de Urumqi, capital da província de Xinjiang, prendendo várias pessoas que foram levadas com as mãos para o alto.

Uma multidão formada por algumas centenas de pessoas se formou perto da Mesquita Branca, ao lado dos policiais armados com submetralhadoras, enquanto veículos blindados bloquearam as ruas no entorno do edifício e um helicóptero sobrevoava a região, no primeiro sinal de instabilidade dias após conflitos que resultaram em mais de 150 mortes na cidade dividida.

"Você vê, é assim que eles tratam os uigures, como animais", disse uma mulher, no que aparentemente era apenas uma pequena manifestação localizada.

Centenas de uigures lotaram a mesquita após autoridades terem decidido fechar mesquitas nos principal dia de orações para os muçulmanos para tentar minimizar as tensões.

Forças de segurança aumentaram o controle sobre Urumqi, mas as orações noturnas representaram um teste para a habilidade do governo de conter a ira dos uigures após chineses da etnia Han, maioria no país, terem atacados os bairros dos uigures na terça-feira.

Esses ataques foram em revanche à morte de 156 pessoas durante uma briga com uigures no domingo, no pior conflito étnico em décadas.

A tentativa inicial de silenciar as orações coletivas aparentemente teve sucesso, mas milhares de soldados e policiais antimotim estavam de prontidão para conter qualquer novo protestos dos uigures. Quase todos os uigures são muçulmanos, mas poucos aderem à interpretação mais rigorosa do Islã.

O governo chinês considera fundamental manter o controle estrito sobre a enorme região que faz fronteira com Rússia, Mongólia, Cazaquistão, Kirquistão, Tajiquistão, Afeganistão, Paquistão e Índia, uma vez que Xinjiang é abundante em reservas de petróleo e é a principal região produtora de gás natural do país.


Mesquitas permanecem fechadas em Urumqi

Leia também:

Leia mais sobre: China

    Leia tudo sobre: xinjiang

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG