Sob pressão, Berlusconi recorre a aliado de extrema direita

Premiê italiano pediu para Umberto Bossi, da Liga Norte, negociar com ex-aliado Gianfranco Fini, que pede sua renúncia

iG São Paulo |

O chefe de governo italiano Silvio Berlusconi solicitou nesta terça-feira a mediação de seu polêmico aliado Umberto Bossi, líder da Liga Norte, para evitar a queda do governo após a crise política aberta por seu ex-aliado Gianfranco Fini, que pede sua renúncia.

Berlusconi, que se nega a deixar o cargo, decidiu pedir a Bossi que "negocie" com Fini, atual presidente da Câmara dos Deputados, que rompeu com o chefe de governo, pedindo sua renúncia e a criação de uma nova coalizão de governo.

"Berlusconi me pediu para negociar com Fini e tenho a autorização de Fini para negociar com Berlusconi", declarou Bossi, durante uma visita realizada com o chefe de governo às regiões do norte gravemente atingidas pelas inundações.

AFP
Berlusconi chega para discursar em cerimônia em Áquila, na Itália
A reunião entre Bossi e Fini foi fixada para quinta-feira, informaram fontes parlamentares.

Futuro político

A grave crise na Itália ameaça o futuro político do magnata das comunicações, que vem perdendo popularidade nos últimos meses após 15 anos de triunfo. Parte da imprensa classifica o momento como "clima de fim de mandato".

Ante a possível queda do governo cada vez mais desprestigiado por escândalos envolvendo seu líder em acusações de escândalo sexual, muitos preferem um governo "técnico", que tenha uma duração limitada, já que nenhuma das formações políticas atuais, nem de esquerda, nem de direita ou centro, estão em condições de ganhar as eleições.

Segundo o jornal italiano La Repubblica, Bossi se propôs a ser mediador por temer eleições antecipadas e por querer que a lei para o federalismo fiscal seja esquecida no Parlamento.

A imprensa não exclui também que se chegue a um acordo entre as partes, modificando a lei eleitoral vigente, que beneficia de uma forma exagerada a coalizão que sai vitoriosa, e se for adotado um federalismo fiscal "solidário", que garanta contribuições às regiões pobres do sul, como deseja Fini.

Crise

No domingo, O presidente da Câmara dos Deputados italiana, Gianfranco Fini, pediu a renúncia do primeiro-ministro Silvio Berlusconi e o início de negociações para a formação de um novo governo de centro-direita.

Fini - cofundador do governista Partido Povo da Liberdade (PDL), de Berlusconi, e que se tornou um dos maiores rivais do premiê - disse que os membros de seu novo partido Futuro e Liberdade para a Itália (FLI) dariam suporte a um governo liderado por Berlusconi somente se ele concordasse com algumas condições, incluindo um novo programa para ajudar a região sul do país e estimular os empregos, e uma mudança na lei eleitoral.

O futuro de Berlusconi no governo foi colocado na balança desde julho, quando ele efetivamente expulsou Fini do partido PDL, que eles criaram juntos em 2008, como uma nova força de centro-direita. A separação deixou Berlusconi sem uma segura maioria parlamentar depois que Fini carregou mais de 40 pessoas entre deputados e senadores para sua nova legenda.

A precária situação política que o Executivo atravessa se soma aos recentes escândalos sexuais que o governante esteve envolvido, sofrendo, portanto, uma progressiva queda de popularidade.

*Com AFP, Reuters e EFE

    Leia tudo sobre: berlusconipremiê italianoescândalorenúncialiga norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG