Sistema de segurança aérea falhou, diz autoridade dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - O sistema destinado a manter seguras as viagens aéreas falhou quando um nigeriano suspeito de laços com militantes conseguiu entrar com explosivos a bordo de um avião, disse a secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Janet Napolitano, na segunda-feira. Aconteceu, disse Napolitano em uma entrevista no Today Show, da NBC, quando perguntada se o sistema havia falhado.

Reuters |

"E é por isso que estamos perguntando - como esse indivíduo entrou no avião? Por que o material explosivo não foi detectado? O que precisamos fazer para mudar" as regras da lista de observação da segurança, afirmou ela.

Umar Farouk Abdulmutallab foi indiciado por tentar explodir o avião do vôo 253 da Northwest Airlines quando ele se aproximava de Detroit, proveniente de Amsterdã, no dia do Natal, com quase 300 pessoas a bordo. Passageiros e tripulantes conseguiram dominá-lo depois de ele ter acendido um equipamento explosivo preso ao seu corpo.

No domingo, Napolitano havia dito que o sistema para proteger as viagens aéreas havia funcionado, mas nos noticiários de segunda-feira ela disse que quis dizer que a resposta para avisar outros aviões e aeroportos e a imposição imediata de procedimentos de segurança foram eficazes.

Ao aparecer na CNN segunda-feira, ela afirmou que o governo estava revisando outras regras de segurança "porque certamente esse indivíduo não deveria ter sido capaz de embarcar nesse avião levando aquele material".

O pai de Abdulmutallab, um respeito banqueiro nigeriano, havia dito às autoridades norte-americanas que estava preocupado de que o comportamento radical do filho pudesse representar uma ameaça e seu nome constava de uma ampla lista dos EUA de possíveis ameaças à segurança. No entanto, ele não estava na lista bem menor dos proibidos de voar.

Napolitano foi questionada na NBC se a tentativa representava uma nova forma de ameaça que o sistema de rastreamento não estava equipado para lidar.

"Eu não iria tão longe", disse ela. "Eu diria que nosso sistema não funcionou nesse caso. Ninguém está feliz nem satisfeito com isso. Uma ampla revisão está em andamento", acrescentou.

"Neste momento sentimos que, com procedimentos de rastreamento adicionais, as medidas de proteção adicionais dentro da aeronave, as viagens aéreas são seguras enquanto trabalhamos com esse problema."

(Reportagem de Deborah Charles)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG