Damasco, 15 abr (EFE).- A Síria negou hoje ter fornecido mísseis Scud ao grupo xiita libanês Hisbolá, como afirmou o presidente de Israel, Shimon Peres, e acusou a Israel de esticar a situação regional com tais acusações.

"Síria nega taxativamente estas acusações e acredita que dessa forma Israel coloca mais lenha no já tenso clima da região", afirma em comunicado do Ministério sírio de Exteriores, citado pela agência oficial "Sana".

Damasco responde assim à acusação feita recentemente pelo presidente israelense, Shimon Peres, que disse em Paris, onde está em visita oficial, que a Síria tinha fornecido armas ao Hisbolá.

"A Síria segue com sua dupla linguagem; de um lado fala em paz e do outro repassa sofisticados mísseis Scud ao Hisbolá que ameaça Israel", disse Peres em Paris em sua reunião com o primeiro-ministro francês, François Fillon, em declarações reproduzidas no site do Ministério de Exteriores israelense.

Segundo o Ministério de Exteriores sírio, "Israel quer criar um ambiente que torne possível uma agressão e assim evitar cumprir a sua parte na hora de conseguir uma paz justa e global na região".

Os Scud, fabricados pela extinta União Soviética, ficaram conhecidos pela primeira vez na guerra do golfo em 1991, quando o ditador iraquiano Saddam Hussein disparou 39 em direção a Israel.

EFE gb/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.