mais difícil e perigoso da imprensa na Venezuela - Mundo - iG" /

SIP denuncia trabalho mais difícil e perigoso da imprensa na Venezuela

Madri, 5 out (EFE) - O trabalho da imprensa e dos jornalistas independentes é cada vez mais difícil e perigoso na Venezuela, segundo o relatório apresentado hoje da Assembléia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), realizada em Madri.

EFE |

O relatório, exposto por David Natera, presidente do Bloque de Prensa Venezolano (BPV) e do jornal "Correo del Caroní", da cidade de Puerto Ordas, disse que "a imprensa, os meios de comunicação independentes" não vão se calar.

Natera criticou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ao afirmar que ele não respeitou o resultado do referendo de dezembro de 2007 ao aprovar na Assembléia Nacional, controlada pelo Governo, "26 leis que impõem quase as mesmas normas negadas" na consulta, disse.

A experiência vivida por jornalistas e meios de comunicação independentes na Venezuela "registra graves e repetidas violações aos direitos humanos por parte do atual Governo, que deveriam ser investigadas pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU", acrescentou.

Natera disse que, dois anos atrás, o Governo de Chávez anunciou sua decisão de consolidar uma "hegemonia comunicacional" e que, atualmente, o regime "controla a maioria dos meios de comunicação, aos quais impõe conteúdo ideológico, propagandista e proselitista".

Natera citou vários "ataques" contra a imprensa e jornalistas nos últimos seis meses, entre eles, o assassinato a tiros do locutor Oswaldo Vásquez, de Puerto Cabello, em abril.

Também disse que a Anistia Internacional advertiu de que na Venezuela persistem a violência e a impunidade. EFE mmg/wr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG