Miami, 28 jan (EFE).- A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) criticou hoje a lentidão e os silêncio das autoridades brasileiras em torno das investigações do assassinato do jornalista Nivanildo Barbosa Lima, ocorrido em 1995.

Jornalista do jornal "Ponto de Encontro", Lima denunciava grupos de extermínio. Ele foi encontrado morto na represa de Paulo Alfonso, no norte da Bahia, e as primeiras versões divulgadas apontaram para um suicídio.

À época, o caso foi arquivado, mas foi reaberto em 2002 e a investigação ainda não terminou.

Por isso, a SIP reivindicou por meio de um anúncio publicado em mais de 400 jornais do continente o fim da "demora e do silêncio em torno das investigações sobre o crime".

Segundo a SIP, nos últimos 22 anos, 367 jornalistas foram assassinados no continente americano. EFE emi/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.