SIP: Ataques verbais do Governo ameaçam liberdade de imprensa na Bolívia

Madri, 5 out (EFE) - Os cada vez mais freqüentes ataques verbais do Governo, especialmente do presidente Evo Morales, contra os jornalistas, a imprensa e seus proprietários têm ameaçado a liberdade de imprensa e expressão na Bolívia nos últimos meses.

EFE |

Assim destacou o relatório sobre o país apresentado hoje perante a Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), que realiza sua Assembléia Geral em Madri.

Segundo o relatório, os ataques à imprensa "se intensificaram na medida em que se deteriorava ainda mais a situação política, econômica, social e regional, e a relação entre o poder constituído e opositores em cinco departamentos do país".

"Os ataques verbais do Governo à imprensa, que derivam quase sempre em agressões de seus seguidores a jornalistas e à imprensa, são conseqüência de uma suposta estratégia de, primeiro, desprestigiar a imprensa para que a sociedade não acredite nela depois", afirma o documento.

O relatório lembra que Morales disse em discurso que a imprensa mente e que, por isso, a população "não deve acreditar nela".

Para a SIP, "o Governo resiste em aceitar a crítica da imprensa a suas ações contra a lei e, por isso, não se cansa de afirmar que a imprensa é sua inimiga".

O relatório documenta casos de violência contra profissionais da imprensa, começando pela brutal agressão em março sofrida pelo jornalista Carlos Quispe, que morreu dois dias depois após ser atacado por camponeses opositores ao prefeito da cidade de Pucarani, que invadiram as instalações da "Radio Municipal". EFE fpb/wr/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG