Sinopse de imprensa: Bancada cubana tenta frear Obama

A América Latina comemorou, nesta semana, a revogação da suspensão de Cuba da Organização dos Estados Americanos (OEA) após 47 anos. Esse foi mais um sinal da reaproximação dos EUA com a ilha, contudo, a bancada de cubano-americanos no Congresso dos EUA recebeu a decisão como uma afronta e promete brecar novas iniciativas do presidente Barack Obama para distender as relações com Havana, de acordo com o Estado de S. Paulo

Redação |

Segundo uma pesquisa divulgada pela Bendixem Associados, 43% dps cubano-americanos são contra o bloqueio e 42%, a favor. No ano de 2003, 61% achava que o embargo deveria ser mantido e só 28% queria seu fim.

A bancada "Liberdade para Cuba" é formada por 11 congressistas, que são contra Fidel e Raúl Castro e contam com o financiamento de várias entidades de exilados.

O especialista Maurício Cárdenas disse em entrevista ao "Estado de S. Paulo" que há uma tensão entre a Casa Branca e o lobby anticastrista. Segundo ele, a partir de agora a bancada cubana ficará mais agressiva e tentará evitar que Obama continue com a aproximação com Cuba.

Os legisladores da bancada pretendem, no curto prazo, desacelerar qualquer processo de abertura planejado por Obama, que já liberalizou o envio de remessas e as viagens de cubano-americanos à Cuba. Além disso, o presidente americano retomou as conversas bilaterais sobre imigração.

Leia mais sobre Cuba

    Leia tudo sobre: cuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG