Silvio Berlusconi, o homem do eterno retorno

O magnata Silvio Berlusconi, vencedor das eleições de domingo segundo as primeiras previsões, reencontrou-se no final desta campanha eleitoral com o estilo mordaz que o tornou famoso desde sua entrada na política, em 1993.

AFP |

Depois de um início de campanha morno, o líder da direita italiana recuperou as declarações contundentes e as piadas, às vezes de mau gosto, que o caracterizam.

Chamado seu adversário, o líder do Partido Democrata (PD) Valter Veltroni, de "mentiroso profissional" e referindo-se constantemente ao passado comunista do ex-prefeito de Roma, Berlusconi não duvidou em pedir a ele que "garanta que a esquerda não utilize cédulas de votos em branco para manipular os resultados", uma de suas obsessões desde a vitória por um triz do centro-esquerda em abril de 2006.

Nascido em 29 de setembro de 1936 numa família burguesa de Milão, Silvio Berlusconi herdou de seu pai, banqueiro, um grande interesse pelo mundo dos negócios, que mostrou já na adolescência ao cobrar os colegas de sua turma para ajudá-los nos deveres de casa.

Jovem, Berlusconi trabalhou como animador de discoteca e em barcos de cruzeiro. Ele chegou a vender aspiradores, no fim dos anos 50. Em 1961, ele obteve um diploma em direito, e pediu dinheiro emprestado ao banco de seu pai para fundar as "Obras milanesas reunidas".

Ele iniciou então uma irresistível ascensão depois de entrar no mundo da televisão, no fim dos anos 60. Através de uma empresa publicitária, ele acabou formando uma verdadeira rede de televisões locais.

No fim dos anos 70, "Il Cavaliere" conheceu Bettino Craxi. O homem que se tornaria o presidente do Conselho socialista dos anos 80 foi o mentor de Berlusconi até sua queda, em 1993.

A holding familiar Finivest, cuja direção foi entregue a um de seus principais colaboradores, Fedele Confalonieri, controla desde 1978 o que se tornou hoje um império industrial de cerca de 500 empresas, sobretudo dos ramos das finanças e da edição, entre elas o grupo de televisões Mediaset. Silvio Berlusconi também é o presidente do Milan AC.

Homem mais rico da Itália desde 1996, ele acabou de cair para o terceiro lugar deste ranking, segundo a revista Forbes, segundo a qual Berlusconi é dono de um patrimônio avaliado em 9,4 bilhões de euros.

Berlusconi se apresentou pela primeira vez a eleições em abril de 1994. Ele ganhou com o partido que criou em algumas semanas, o Forza Italia, formado essencialmente por dirigentes da Finivest e que decidiu se aliar aos neofascistas do Movimento social italiano de Gianfranco Fini e aos populistas da Liga do Norte de Umberto Bossi.

Abandonado pela Liga do Norte depois de sete meses no poder, ele caiu em dezembro daquele ano e acabou perdendo as eleições de 1996. Ele reconquistou o cargo de chefe de governo em 2001, que manteve até abril de 2006, quando perdeu para o partido de centro-esquerda de Romano Prodi.

Habilidoso na arte de posar de vítima, sempre às voltas com a justiça por diversos casos de corrupção, Berlusconi foi condenado várias vezes em primeira instância, mas nunca definitivamente.

Para parecer mais jovem, ele colocou implantes e fez uma cirurgia nas pálpebras. Além disso, ele sempre tinge os cabelos e sempre aparece bronzeado.

Vítima de um mal-estar em novembro de 2006, ele fez uma cirurgia para colocar um simulador cardíaco em dezembro nos Estados Unidos. Ele também foi operado de um câncer da próstata em 1997.

Silvio Berlusconi é pai de cinco filhos, de dois casamentos diferentes, e tem vários netos.

ljm/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG