Silêncio após crise preocupa tailandeses no aniversário do rei

Bangcoc, 5 dez (EFE).- Os tailandeses comemoram hoje o 81º aniversário do rei Bhumibol Adulyadej, quem ontem, pela primeira vez em 62 anos de reinado, não pronunciou seu aguardado discurso à nação, no momento em que o país a está imerso em uma profunda crise política.

EFE |

Bhumibol, considerado quase uma divindade por muitos tailandeses, costuma usar seu discurso anual para fazer chegar suas mensagens à nação e ontem, apenas três dias após o final dos protestos, políticos, militares e populares aguardavam em pé suas palavras para que, como outras vezes, sugerisse uma solução.

"Havia uma grande expectativa pelo discurso do Rei e todo mundo esperava que ele fosse o salvador do dia", disse o professor de Ciências Políticas da Universidade de Chulalongkorn, Thitinan Pongsidhirak.

O príncipe Vajiralongkorn, herdeiro do trono, explicou, durante a cerimônia oficial à qual faltou o soberano, que seu pai sofria um ligeiro mal-estar na garganta, alegando que não era "nada sério".

Esta manhã, os tailandeses doaram comida a 200 monges budistas por ocasião do aniversário real e, até a meia-noite, 2 milhões de velas iluminarão o palácio.

Embora a calma tenha voltado, os tailandeses temem que a hostilidade entre governistas e oposicionistas provoque uma volta dos distúrbios.

Os manifestantes antigovernamentais, que ocuparam a sede do Governo e os dois aeroportos de Bangcoc, encerraram os protestos depois de o Tribunal Constitucional dissolver três partidos da coalizão governamental e desabilitar por fraude o primeiro-ministro Somchai Wongsawat, e 14 membros de seu Gabinete.

No entanto, os membros da coalizão de Governo se reagruparam em um partido recém-criado e se preparam para retomar o poder com um novo primeiro-ministro à frente.

Os discursos do rei foram essenciais para resolver crises passadas, como as surgidas por causa das revoltas estudantis de meados dos anos 70 ou o massacre de quase 100 manifestantes por soldados em maio de 1992.

O cancelamento do discurso do monarca decepcionou e preocupou milhares de tailandeses, que se reúnem hoje na praça em frente o Grande Palácio Real para desejar a pronta recuperação do rei Bhumibol, nono herdeiro da dinastia Chakri.

Por mais que se trate de uma questão delicada da qual os tailandeses não falam em público, a sucessão do rei Bumibhol preocupa grande parte da população.

O herdeiro do Trono, o príncipe Vajiralongkorn, de 56 anos, não desperta simpatia, enquanto sua irmã, a princesa Sirindhorn, de 53 anos, é muito popular e querida pelo povo tailandês, embora nunca antes se tenha coroado uma mulher neste país.

As ofensas à monarquia são classificadas com crimes graves e castigadas com penas de até 15 anos de prisão. EFE grc/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG