Tamanho do texto

Um grupo de sete funcionários do governo do Alasca irá testemunhar no caso de suspeito abuso de poder por parte da governadora do Estado e candidata a vice-presidente dos Estados Unidos pelo Partido Republicano, Sarah Palin. Conhecido como Troopergate, o caso investiga a acusação de que Palin teria cometido abuso de poder ao demitir o chefe da Segurança Pública do Alasca depois que este se recusou a demitir o cunhado de Palin, um agente de polícia que estava se divorciando da irmã da governadora.

Os sete funcionários haviam se recusado a prestar depoimento perante o Conselho Legislativo do Alasca, mas mudaram de opinião e irão depor no dia 10 de outubro, quando o investigador Steve Branchflower irá apresentar o caso.

Palin nega as acusações de abuso de poder e afirma que a decisão de demitir o agente e ex-cunhado Mike Wooten foi feita considerando as prioridades do orçamento do Estado.