Serviço secreto garante que carta enviada a McCain não era perigosa

As cartas com ameaças enviadas a dois escritórios de campanha do candidato republicano à Casa Branca, John McCain, não eram perigosas, afirmaram nesta sexta-feira funcionários do serviço secreto americano.

AFP |

O pó branco encontrado em uma das cartas, recebida pelo escritório de Denver, no Colorado, foi analisado e não apresenta risco à saúde, declarou à AFP um porta-voz do serviço secreto, Ed Donovan.

O autor da carta foi identificado como Harold Ramsey, um presidiário de 39 anos, condenado por ofensa e agressão a um policial.

"Nós o temos registrado, já é conhecido como prolífico autor de cartas", disse Donovan.

Na sexta-feira, a promotoria federal de Denver anunciou novas acusações contra Ramsey, cuja carta continha ameaças de morte diretas contra o candidato republicano: "senador McCain, se estiver lendo isto, é porque já está morto", dizia o texto, segundo um relatório do FBI.

O suspeito cumpre atualmente uma pena de cinco anos em regime fechado, além de ter sido multado em 250.000 dólares, segundo a promotoria.

Na quinta-feira, a equipe de McCain anunciou ter recebido outra carta suspeita no escritório de campanha de Manchester, New Hampshire, mas em seguida foi esclarecido que o envelope não continha qualquer ameaça ou pó, e que sequer tem relação com a carta recebida no Colorado.

ksh/ap/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG