Serviço de segurança russo suspende operação antiterrorista na Inguchétia

Moscou, 18 out (EFE).- O Serviço Federal de Segurança russo (FSB) suspendeu hoje a operação antiterrorista para capturar os rebeldes que atacaram uma coluna de blindados na república da Inguchétia, no Cáucaso Norte.

EFE |

"A operação não deu nenhum resultado", informou o serviço de imprensa do FSB, a antiga KGB, segundo a agência "Interfax".

Segundo a Procuradoria da Inguchétia, os rebeldes se esconderam em uma floresta após atacarem a coluna, ação na qual dois soldados russos morreram e nove ficaram feridos.

"Trata-se de um grupo armado que opera nos territórios da Chechênia e da Inguchétia", declarou.

O Ministério do Interior da Inguchétia comunicou esta manhã o ataque com lança-granadas perpetrado por desconhecidos contra uma coluna de blindados nos arredores da localidade de Galashki.

Posteriormente, fontes independentes calcularam em várias dezenas os soldados russos mortos em dois ataques contra colunas de blindados russos, mas isto não foi confirmado pelas autoridades da Rússia.

Segundo o jornal digital "Ingushetia.Org", que cita fontes policiais locais, aproximadamente 50 soldados russos teriam sido abatidos em um ataque na estrada que une Galashki e Muzhichi.

Os assaltantes teriam usado lança-granadas em seu ataque contra a coluna russa, que incluía 20 blindados e caminhões militares, além de 100 homens.

Entre as aldeias de Surkhakhi e Alkhasti outros dois soldados russos teriam morrido quando uma coluna de blindados foi alvejada por fogo inimigo a caminho de Galashki.

Nos últimos meses, a república da Inguchétia, vizinha da Chechênia, se transformou em cenário de vários atos de violência.

O presidente da Inguchétia, Murat Zyazikov, antigo general dos serviços secretos russos, enfrenta um amplo movimento de oposição, que exige sua renúncia.

Segundo Magomed Khazbiev, um dos dirigentes da oposição na Inguchétia, mais de 700 pessoas foram assassinadas e outras 158 desapareceram desde que Zyazikov chegou à Presidência, em 2002. EFE io/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG