Belgrado, 9 out (EFE) - A Sérvia tirará a hospitalidade do embaixador de Montenegro em Belgrado após o país vizinho decidir reconhecer, hoje, a independência do Kosovo, declarou o ministro de Exteriores sérvio, Vuk Jeremic. O ministro informou à agência de notícias nacional Tanjug que o Governo sérvio decidiu informar Podgórica, a capital montenegrina, de que a presença de seu embaixador em Belgrado já não é desejável. Este é um passo previsto pelo Plano de Ação do Governo da Sérvia. Consideramos que este passo representa uma medida adequada dado que os países da região têm uma responsabilidade especial para a preservação da paz e a estabilidade nos Bálcãs, disse Jeremic.

O chanceler destacou que a decisão de Montenegro é ainda mais difícil de aceitar depois que a Assembléia Geral da ONU aprovou, na quarta-feira, uma resolução sérvia para que a Corte Internacional de Justiça (CIJ) se pronuncie sobre a legalidade da independência unilateral do Kosovo, proclamada em fevereiro por Pristina.

"A decisão (de Montenegro) foi tomada sob a pressão daqueles cujas idéias e posições sobre o problema do Kosovo foram derrotadas na votação na Assembléia Geral da ONU. Como essas pressões prevaleceram na hora de decidir o Governo montenegrino, nós optamos por este passo", afirmou.

"Devemos mostrar a firmeza e a determinação na proteção de nossa integridade territorial e a soberania", declarou Jeremic.

Nos últimos dias, ao receber indícios da posição de Montenegro favorável ao reconhecimento de Kosovo, a Sérvia respondeu que encararia essa atitude como "uma punhalada nas costas" por parte do país vizinho, com quem formava, há dois anos, um Estado comum.

A Sérvia considera o Kosovo sua província e parte inalienável de seu território, e vê sua independência unilateral como uma violação do direito internacional.

Até agora, 49 países reconheceram o Kosovo, a maioria ocidentais, como os Estados Unidos e uma grande parte dos membros da União Européia (UE). EFE sn/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.