Sérvia pede que UE se pronuncie sobre decisão do TPII de absolver Haradinaj

Belgrado, 4 abr (EFE) - O Governo sérvio pediu hoje à União Européia (UE) se pronunciar oficialmente sobre a absolvição do ex-primeiro-ministro do Kosovo e antigo guerrilheiro albanokosovar Ramush Haradinaj das acusações de crimes de guerra.

EFE |

O Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), com sede em Haia, absolveu Haradinaj na quinta-feira por falta de provas dos crimes de guerra e lesa-humanidade supostamente cometidos entre março e setembro de 1998.

O primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, declarou que, se após a absolvição de Haradinaj o bloco considerar que o Tribunal é uma instituição "com credibilidade e competência para condicionar o grau de cooperação da Sérvia com a UE", então isso "deve ser comunicado com clareza".

"Há anos a UE impõe o Tribunal de Haia como o critério crucial para continuar a cooperação com a Sérvia", disse o político sérvio.

Em comunicado oficial, Kostunica acrescentou que, devido à "obscura" decisão dessa corte, "seria indispensável ouvir agora a posição oficial da UE sobre esse ato que afronta a Justiça".

Segundo o chefe de Governo sérvio, dessa forma a UE também assumiria a responsabilidade pela decisão do TPII no caso do antigo comandante guerrilheiro.

Ele acrescentou que "cada cidadão da Sérvia sabe bem que com essa decisão o Tribunal de Haia premiou o crime e humilhou as vítimas sérvias inocentes" de Haradinaj.

Belgrado insiste em que houve intimidações contra as testemunhas no processo e inclusive assassinatos de alguns deles para calá-los, pelo que espera que a Promotoria do tribunal recorra da sentença.

O encarregado sérvio de cooperação com o TPII, Rasim Ljajic, disse hoje que a absolvição de Haradinaj afetará ainda mais a má percepção que o público sérvio tem dessa corte, que a vê como uma instituição política mais que judicial.

No entanto, as autoridades da Sérvia afirmaram que continuam dispostas a concluir a cooperação com o TPII, que exige que este país entrege ou ajude a capturar quatro foragidos, entre eles o ex-líder militar servo-bósnio Ratko Mladic.

O TPII também processa o ex-dirigente dos sérvios da Bósnia, Radovan Karadzic, um ex-chefe da Polícia servo-bósnia de Banja Luka, Stojan Zupljanin, e o ex-líder dos sérvios da Croácia, Goran Hadzic.

A plena cooperação com o Tribunal é a principal condição da UE para a Sérvia no processo de aproximação. EFE sn/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG