Série de bombas contra xiitas deixa ao menos 44 mortos no Iraque

MOSUL - A explosão de um carro-bomba matou 38 pessoas que saíam de uma mesquita xiita nos limites da cidade de Mosul, no norte do Iraque, informaram autoridades nesta sexta-feira. Em Bagdá, uma série de bombas vitimou outros seis fiéis xiitas.

Redação com agências internacionais |

A polícia afirmou que 95 pessoas ficaram feridas no ataque suicida com o carro-bomba - mais um de uma série de ataques ocorridos nas últimas semanas contra alvos religiosos xiitas. Há uma semana, várias explosões diante de mesquitas xiitas em Bagdá mataram 31 pessoas.

Militantes islâmicos sunitas como os da rede Al-Qaeda, que consideram os xiitas hereges, são responsabilizados com frequência por ataques como esses.

"Eu estava em casa quando aconteceu a explosão. Corri para a mesquita para procurar meu pai nos escombros. Encontrei-o gravemente ferido e o levei ao hospital, mas ele morreu," disse aos prantos Khalil Qasim, de 19 anos.

As autoridades do Mosul exortaram os cidadãos a doar sangue e apelaram para que veículos de construção retirassem os escombros que prendiam as vítimas do ataque, ocorrido em Shreikhan, vilarejo de maioria xiita logo ao norte da cidade de Mosul.

A insurgência no Iraque esmaeceu nos últimos 18 meses, mas os rebeldes conseguiram se esconder na região montanhosa que cerca Mosul, distante 390 quilômetros de Bagdá, e têm explorado as divisões entre árabes e curdos em Mosul. Tiroteios e explosões de bombas ocorrem quase diariamente na cidade.

A disputa na província de Nineveh, da qual Mosul é a capital, ameaça dividir a província e alimenta as tensões que podem prejudicar a estabilidade do Iraque no longo prazo. "Há partidos que buscam criar o caos dentro de Mosul levando o Iraque a uma luta sectária," disse o governador de Nineveh, Atheel al-Nujaifi.

Muitos iraquianos também temem que os ataques contra os xiitas possam reiniciar a violência sectária entre sunitas e xiitas. Dezenas de milhares de pessoas foram mortas desde a invasão liderada pelos EUA no país, em 2003.

Dia de celebração xiita

Centenas de milhares de peregrinos comemoram nesta sexta-feira, em Kerbala, no Iraque, o aniversário de nascimento do ímã xiita Al-Mahdi, em meio a grandes medidas de segurança para evitar ataques.

AP
Bomba atingiu micro-ônibus que levava xiitas

Bomba atingiu micro-ônibus que levava xiitas

A circulação de veículos no interior da cidade foi proibida, enquanto 21 mil soldados e policiais, segundo fontes oficiais, controlam as entradas da cidade, a 120 quilômetros ao sul da capital.

Os milhares de peregrinos que vêm de outras províncias e do exterior chegam, em sua maioria, a pé. Apesar das medidas de segurança, cinco pessoas morreram hoje em vários incidentes com bomba, dirigidos intencionalmente contra os peregrinos.

A cidade abriga vários lugares santos do xiismo como a mesquita de Al-Hussein e a de seu irmão Abbas, netos do profeta Maomé.

Os xiitas lembraram hoje o nascimento do 12º e último ímã xiita Al-Mahdi, conhecido também como "o oculto" ou "o esperado", que desapareceu misteriosamente no ano 876, quando tinha somente 8 anos. Os xiitas acreditam que Al-Mahdi voltará para livrar o mundo das injustiças e impor uma nova ordem justa.

É a primeira vez que as tropas iraquianas se encarregam sozinhas da segurança do evento. As tropas americanas se retiraram das cidades do país no dia 30 de junho.

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraquexiitas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG