Sequestradores exigem distribuição de carne a pobres no Paraguai

ASSUNÇÃO (Reuters) - A família de um pecuarista sequestrado há três meses no Paraguai recebeu nesta terça-feira uma demanda incomum dos bandidos: repartir milhares de quilos de carne em comunidades pobres do país. O governo paraguaio lamentou a imposição à família de Fidel Zavala e pediu que o Congresso aprovasse leis mais duras contra os sequestros.

Reuters |

Zavala, de 45 anos, foi sequestrado em 15 de outubro passado por um grupo chamado Exército do Povo Paraguaio (EPP), que exigiu um resgate milionário.

Centenas de pessoas se reuniram desde cedo em um clube esportivo de um dos bairros mais humildes de Assunção para receber a carne de 10 bois, uma medida que os sequestradores usam para aumentar sua popularidade.

Mas a maioria das pessoas que receberam a carne agradeceu à família e pediu a libertação do pecuarista, segundo entrevistas divulgadas pela mídia local.

Outros 20 bois foram repartidos em duas comunidades de indígenas que vivem na miséria no departamento de Concepción, no norte do país, onde um grupo fortemente armado invadiu a fazenda de Zavala e o sequestrou.

A imposição de entregar a carne como "cortesia" do EPP foi descrita como um insulto à cidadania pelo ministro do Interior, Rafael Filizzola, que responsabilizou setores da oposição por não aprovarem uma lei que bloqueia os bens da família dos sequestrados.

(Reportagem de Mariel Cristaldo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG