Sequenciamento do genoma da vaca: o segredo do bom queijo enfim revelado?

Cientistas conseguiram sequenciar o genoma da vaca, o que deverá permitir levantar um véu sobre segredos genéticos relacionados à boa carne e do bom queijo e fazer avançar a compreensão das doenças bovinas e humanas.

AFP |

O genoma do bovino doméstico (Bos taurus) contém aproximadamente 22.000 genes entre eles 80% idênticos aos do genoma humana que conta com cerca de 30.000, precisam os autores deste projeto de seis anos que mobilizou mais de 300 pesquisadores em 25 países.

"O sequenciamento do genoma bovino permite aos cientistas compreender as causas genéticas de doenças que afetam o gado permitindo, além disso, produzir carne e leite mais sadios, reduzindo para os criadores a dependência aos antibióticos utilizados para preservar a saúde dos animais", destaca o secretário americano Tom Vilsack, da Agricultura, que financiou uma parte do projeto.

"A criação de bovinos é muito importante para o setor agrícola nos Estados Unidos com um total de 94 milhões de cabeças, avaliadas em 49 bilhões de dólares", precisa.

"O sequenciamento do genoma bovino abre também uma outra janela sobre nosso próprio genoma porque, ao comparar o genoma humano ao de numerosas outras espécies animais, poderemos melhor compreender o mecanismo genético das doenças", explica o Dr Raynard Kington, diretor interino dos Institutos nacionais amricanos da Saúde (NIH), que organizaram e co-financiaram esta pesquisa divulgada na edição de 24 de abril da revista americana Science.

Os geneticistas trabalharam com a vaca do tipo Hereford, raça presente no mundo da criação para a produção de carne, e descobriram que a organização dos cromossomos do homem é mais próxima da dos bovinos que os cromossomos do rato e do camundongo. No entanto, até agora, esses animais são os mais utilizados como modelo de estudo das doenças e tratamentos humanos.

Como entre os humanos e outros mamíferos, os cromossomos do bovino doméstico contêm importantes duplicações de segmentos do DNA quase idênticos.

Essas duplicações ou aberrações no genoma humano são ligadas a um conjunto de patologias, entre elas uma forma de retardamento mental e de outros problemas neurológicos.

Analisando o genoma bovino, os cientistas descobriram que arranjamentos cromossômicos nestes animais afetariam genes ligados ao sistema imunológico, ao metabolismo, à digestão, à reprodução e à lactação.

Segundo eles, essas variações genéticas poderiam explicar a capacidade dos bovinos de converter a grama que 'comem, pobre em calorias, em músculos, gordura e leite altamente energéticos.

Essas modificações poderiam também desempenhar um papel na produção de proteínas antimicrobianas no leite de vaca.

js/chl/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG