Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Sepultura olha para frente sem os irmãos Cavalera e torce por Obama

Havana, 18 jul (EFE).- A banda Sepultura olha para o futuro, após 24 anos de carreira, sem os irmãos Max e Igor Cavalera, fundadores do grupo, e com a esperança de que o candidato Barack Obama vença as eleições presidenciais nos Estados Unidos.

EFE |

O Sepultura, uma das bandas mais importantes do rock mundial nos anos 1990, fará sua primeira e única apresentação em Havana neste sábado para apresentar seu disco "Dante XXI" e pôr a toda prova algumas das músicas que farão parte de seu próximo trabalho, dedicado ao filme "Laranja Mecânica", de Stanley Kubrick.

"É mais um show de nosso último disco, mas vamos tocar músicas de toda a história do grupo, inclusive músicas do novo disco no qual estamos trabalhando e que já está em fase de mixagem", disse o guitarrista do Sepultura, Andreas Kisser.

Quando perguntados sobre a situação da política internacional, o vocalista americano Derrick Green não escondeu suas preferências por Obama.

"Esperamos que (o candidato republicano) John McCain não ganhe.

Em minha opinião, os Estados Unidos precisam de um presidente completamente diferente, e espero que Obama faça algo diferente porque o país está esperando mudanças", destacou.

Sobre uma possível reunião da formação original do grupo, Kisser disse que "não há planos para que os irmãos" Cavalera voltem ao grupo, que chegou ao topo da cena do rock mundial após o lançamento do disco "Roots".

"Não existe sombra (dos irmãos Cavalera), o sol está brilhando, sempre olhamos para o futuro, eles estão tocando juntos depois de muito tempo, estão se falando, o que é muito bom porque eles são irmãos", disse.

Kisser acrescentou que eles "foram parte da banda, começaram o grupo em Belo Horizonte, mas isso foi uma mudança que eles decidiram, Max saiu em 1996, Igor, há dois anos, e continuamos com o Sepultura porque temos a sorte de contar com músicos como Derrick e Jean (Dolabella)".

"Temos 24 anos de história e finalmente estamos em Cuba, esperamos que seja a primeira de muitas visitas", sobre o show em Cuba, o guitarrista.

Kisser disse que a banda tinha a intenção de ir a Havana em dezembro, mas não foi possível e afirmou que o grupo está feliz de ter chegado à ilha.

Adiantou que gravarão material em Havana para ser editado como parte da viagem que realizaram por países como Índia e Emirados Árabes Unidos. EFE jlp/wr/rr

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG