Senadora pede que Vaticano indique pessoas que receberão reféns das Farc

Bogotá, 15 jan (EFE).- A congressista colombiana Piedad Córdoba, que administra a libertação de seis reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), propôs hoje ao Vaticano que informe alguns dos representantes que podem participar da recepção dos cativos para que o grupo guerrilheiro diga se os autoriza a participar da missão.

EFE |

Córdoba, que ontem tinha dito que as Farc rejeitariam a Igreja Católica como fiadora internacional na libertação, tal como autorizou o presidente colombiano - Álvaro Uribe -, propôs em declarações publicadas hoje pelo jornal "El Tiempo" uma fórmula intermediária para evitar esta recusa.

"Que o Vaticano proponha alguns nomes para que as Farc digam se estão de acordo ou não com eles", declarou a congressista opositora.

Córdoba, uma das mais ferrenhas opositoras de Uribe, se declarou na expectativa da resposta das Farc após o anúncio do Governo de autorizar o Vaticano para participar da missão de libertação de seqüestrados como o fiador internacional que exigem os rebeldes.

A senadora declarou que a possibilidade de esta guerrilha rejeitar a presença da Igreja Católica na missão humanitária é uma possibilidade.

"Desde algum tempo atrás (as Farc) expressaram sua desconfiança para com a Igreja como mediadora", acrescentou.

Além disso, propôs "que não seja uma pessoa, mas duas ou três" os que participem pela associação Colombianos pela Paz (da qual ela é membro e que foi solicitada pelas Farc para participar da libertação) na missão para receber os dois políticos, três policiais e um soldado que os rebeldes prometeram entregar este mês para Córdoba. EFE fer/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG