Senadora colombiana Piedad Córdoba diz que governo quer prendê-la

Caracas, 12 mai (EFE).- A senadora colombiana, Piedad Córdoba disse hoje ao canal estatal VTV da Venezuela que o Governo do presidente Álvaro Uribe quer prendê-la, o que segundo ela poderia acontecer na próxima semana.

EFE |

"Tenho cinco denúncias penais na Corte Suprema (...) e fora disso estão anunciado que me prenderão na próxima semana, não sei qual dia", declarou sem mais detalhes sobre o assunto em uma ligação telefônica a partir de Bogotá à "Venezolana de Televisión" ("VTV").

Após tachar o Estado colombiano de "paramilitar e mafioso", a senadora repetiu que poderão capturar ou matar, mas que não desistirá de suas denúncias sobre a "parapolítica", como chamam em seu país os supostos vínculos de políticos colombianos com forças paramilitares de direita.

No processo da "parapolítica" mais de 60 congressistas, a maioria pertencente à coalizão de Governo, estão sendo investigados pela justiça e 33 deles estão na prisão.

"Entrei na luta política (...), sou uma lutadora social e vou ficar aqui (...), vou dar a cara e brigar até o final e não vou sair correndo como fez o primo do presidente que pediu asilo na embaixada da Costa Rica após ser envolvido com os paramilitares", acrescentou a parlamentar.

A afirmação de Córdoba faz referência ao caso de Mario Uribe, primo do presidente da Colômbia, que pediu asilo na embaixada da Costa rica depois de ser vinculado com o processo da "parapolítica".

Entre as acusações que enfrenta, de acordo com Piedad, uma a classifica como traidora da pátria e outra como terrorista e chefe de uma facção urbana das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

"Querem desviar a atenção" para minimizar a crise aberta no Governo de Uribe por sua "parapolítica", insistiu Córdoba.

Um de seus entrevistadores na "VTV", o ex-ministro da Educação Aristóbulo Isturiz, disse acreditar que a crise colombiana não é conjuntural, mas estrutural, e que "com 10% do que está acontecendo na Colômbia o governante de qualquer outro país latino-americano já teria caído".

"O que acontece na Colômbia, por que o povo não reage, por que o povo não está nas ruas, por que Uribe se mantém no Governo?", interrogou Istúriz.

Em resposta, a senadora disse que tudo o que ele disse está "muito certo", mas que na Colômbia o povo está sendo submetido a uma "perseguição espantosa e violentíssima".

"Há muito medo, aqui há muito pânico, muito terror e somos muito poucos os que nos arriscamos a denunciar", completou a senadora. EFE ar/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG