Senadora colombiana acusa Álvaro Uribe de ter ligações com paramilitares

Bogotá, 30 abr (EFE).- A senadora opositora colombiana Piedad Córdoba acusou hoje o presidente Álvaro Uribe de ter ligações com grupos paramilitares de direita e afirmou que as acusações que a relacionam às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) são para encobrir os escândalos do Governo e dos políticos aliados.

EFE |

"Uma coisa que digo para que fique bem claro, se quiserem continuando fazendo mais montagens, que as continuem fazendo: todos os caminhos do paramilitarismo conduzem a Uribe", declarou a senadora do partido Liberal em declarações à "Radio Caracol".

A resposta de Córdoba foi dada após ela ser questionada sobre algumas denúncias feitas na última semana, segundo as quais ela mantinha desde 2004 contatos com membros das Farc para promover um futuro Governo revolucionário.

Piedad Córdoba administrou junto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a libertação de vários políticos seqüestrados pelas Farc entre agosto e novembro do ano passado, a pedido de Uribe.

Entretanto, o presidente colombiano cancelou esta negociação após terem sido feitos contatos com militares colombianos sem seu consentimento.

As acusações contra a senadora Córdoba foram realizadas após as autoridades investigarem um computador, que se suspeita ser do guerrilheiro Luis Édgar Devia, conhecido como "Raúl Reyes", que acabou morto no dia primeiro de março após uma operação de militares colombianos contra um acampamento das Farc em território equatoriano.

Assim, Piedad Córdoba acusou o presidente Uribe de "encobrir o escândalo de sua amiga" a presidente do Senado, Nancy Patricia Gutiérrez, que é investigada por supostas reuniões com líderes paramilitares. EFE gta/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG