Senador de Illinois admite que ex-governador pediu dinheiro por indicação

Washington, 14 fev (EFE).- O senador de Illinois Roland Burris, que inicialmente negou ter recebido qualquer pedido de suborno por parte do ex-governador Rod Blagojevich para que fosse indicado à vaga deixada pelo presidente americano, Barack Obama, admitiu agora que um irmão do político cassado solicitou doações à sua campanha.

EFE |

O Senado de Illinois, em um julgamento político iniciado pela Câmara de Representantes estadual, destituiu em janeiro o democrata devido às gestões feitas por esse em busca de favores em troca da nomeação do sucessor de Obama.

Usando suas atribuições constitucionais e em meio a denúncias e protestos, Blagojevich nomeou Burris, de 71 anos, que, assim, se tornou o único senador negro dos Estados Unidos, após Obama ter deixado a Câmara Alta para assumir a Presidência.

O jornal "The Chicago Tribune" informa que, em depoimento apresentado há nove dias na Comissão da Câmara de Representantes de Illinois que recomendou o julgamento político de Blagojevich, Burris disse que um irmão do ex-governador tinha pedido US$ 10 mil em doações de campanha, antes de ser designado senador.

Burris acrescentou que tinha conversado com três colaboradores próximos do então governador sobre sua designação para o Senado americano.

O novo testemunho, apresentado só depois que o senador foi admitido no Congresso, é a terceira versão diferente apresentada por Burris do escândalo que precedeu a decisão de Blagojevich.

No primeiro pronunciamento público sobre o assunto, Burris disse que não houve "contato algum" de sua parte ou de alguma pessoa que o representasse "com o governador ou com algum de seus representantes" sobre a sua designação como senador em 26 de dezembro, quando se reuniu com um advogado de Blagojevich.

Em 8 de janeiro, em depoimento a uma comissão legislativa de Illinois, Burris disse que, meses atrás, tinha expressado interesse na vaga no senado a Lon Monk, um ex-chefe de gabinete de Blagojevich cujas atividades como lobista são alvo de uma investigação federal.

Na versão mais recente, Burris disse que falou sobre seu interesse no posto do Senado com o irmão de Blagojevich, Robert, que teria ligado para ele três vezes buscando ajuda para arrecadar fundos ao então governador. EFE jab/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG