Senado dos EUA torna crime venda de entradas para posse de Obama

WASHINGTON - O Senado dos Estados Unidos aprovou uma lei que torna crime a venda ou falsificação das entradas para a cerimônia de posse de Barack Obama, informou o escritório da senadora e patrocinadora da medida, Dianne Feinstein.

EFE |


A lei, aprovada na terça-feira à noite, impõe uma multa de até US$ 100 mil e de até um ano em prisão às pessoas que infringirem a norma, afirmou a parlamentar em comunicado.

"A inauguração presidencial é um dos rituais mais importantes de nossa democracia. A oportunidade de ser testemunhas (do fato) não deve ser vendida ou comprada como entradas, como se fosse um evento esportivo", disse a senadora. "Estas entradas são gratuitas para o povo americano e, assim, devem continuar sendo", destacou.

Feinstein espera que a Câmara de Representantes aprove a medida para que esta se transforme em lei e, desta forma, "seja possível impedir os vigaristas e os que procuram lucrar com este evento importante".

Além disso, disse no comunicado que, em novembro, o site de leilões eBay assegurou que proibiria a venda dos ingressos para a posse em seus sites. No entanto, hoje o eBay tinha anúncios para as entradas para um dos dez eventos oficiais, o "Aloha", por US$ 2.500 cada um.

A única exceção à lei se refere aos comitês de ambos os partidos encarregados de coordenar as cerimônias e atividades públicas por ocasião da posse.

Nesse caso, a regra permite que os comitês continuem recebendo doações em troca de entradas para a posse para financiar suas atividades.

Feinstein assegurou que as entradas para a 56ª cerimônia de posse, em 20 de janeiro, "são gratuitas e estão sendo distribuídas através dos membros do Congresso e do presidente eleito e do vice-presidente eleito".

    Leia tudo sobre: obama

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG