Senado dos EUA começa a debater nomeação da juíza Sonia Sotomayor

Washington, 4 ago (EFE).- O plenário do Senado dos Estados Unidos começou hoje a debater a nomeação da juíza Sonia Sotomayor para um cargo vitalício na Suprema Corte, enquanto a oposição republicana insiste em que ela não tem imparcialidade e não merece o posto.

EFE |

A Câmara Alta deve submeter à votação definitiva a nomeação de Sotomayor na quinta-feira, um dia antes do começo do recesso legislativo de cinco semanas.

Caso seja confirmada, como previsto, Sotomayor se transformará na primeira latina e na terceira mulher na história da Suprema Corte dos Estados Unidos, onde, salvo dois magistrados negros, a maioria foi de juízes de raça branca.

Antes do início do debate formal que começou hoje, os líderes da maioria democrata, Harry Reid, e da minoria republicana, Mitch McConnell, resumiram em discursos as posições sobre Sotomayor, nomeada pelo presidente Barack Obama em 26 de maio para substituir o juiz David Souter.

Reid disse que, ao longo de sua carreira jurídica de 17 anos, ela demonstrou ser uma juíza de corte moderado e expressou "decepção" com que a maioria dos republicanos tenha dito que votará contra a magistrada.

Mas os republicanos, inclusive antes das audiências de confirmação, continuaram expressando seu temor de que a juíza realizará ativismo político desde o palanque.

Sotomayor, disse McConnell, tem uma "história impressionante e antecedentes distintos... mas uma juíza deve deixar de lado sua agenda pessoal ou política e dividir a justiça de forma imparcial".

A confirmação da juíza, já recomendada na semana passada pela Comissão Judicial do Senado, já é questão de trâmite, pois os democratas têm 60 dos 100 assentos no Senado.

Sotomayor prestará juramento do cargo a tempo de uma sessão especial que a Suprema Corte fará no próximo mês. EFE mp/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG