Selo de NY lança CD póstumo de jovem brasileiro que se matou

O selo novaiorquino Luaka Bop, que pertence ao músico americano David Byrne, acaba de lançar um álbum póstumo do cantor e compositor gaúcho Yonlu, que se suicidou em 2006, aos 16 anos de idade.

BBC Brasil |

Reprodução

Yonlu, em cena caseira

O CD, intitulado "A Society in which no tear is shed is inconceavably mediocre" ("Uma Sociedade na qual nenhuma lágrima é derramada é inconcebivelmente medíocre"), é uma coletânea de demos gravadas pelo adolescente (cujo nome verdadeiro era Vinícius Gageiro Marques) em seu quarto, usando um computador e alguns instrumentos, todos tocados por ele.

As gravações ¿ ao todo 60 canções ¿ foram encontradas pelo pai de Yonlu, o professor universitário e ex-secretário da cultura do Rio Grande do Sul Luiz Marques, depois do suicídio do filho.

Yonlu sofria de depressão e estava sob internação domiciliar há dois meses quando se matou. O suicídio, explicado em uma carta deixada aos pais, foi compartilhado ao vivo com um grupo de "amigos" na internet, e foi assunto de uma longa matéria sobre sites que incentivam suicídios na revista Época, em fevereiro de 2008.

Segundo a revista, internautas não só o incentivaram como também lhe deram conselhos sobre o melhor método: intoxicação por monóxido de carbono.

Talento

As músicas do adolescente, reflexões sobre a vida banhadas em melancolia, sugerem um gosto eclético: rock, bossa-nova, hip hop. Os arranjos vocais são trabalhados: em algumas faixas, a voz foi gravada em várias camadas sobrepostas.

Em 2008, o selo goiano Allegro lançou um CD com uma seleção de 23 canções de Yonlu. O disco chegou ás mãos de Yale Evelev, da gravadora Luaka Bop, conhecida por suas coletâneas de música brasileira e que tem em seu catálogo, álbuns de David Byrne, Tom Zé, Nouvelle Vague e Susana Baca.

Divulgação

Capa da edição norte-americana do álbum

"Gostamos (do disco) antes de ouvir a história", disse Evelev à BBC Brasil. "Depois de ouvir a história, pensamos, primeiro, que mais pessoas deveriam ouvir essa música".

"Segundo, pensamos que talvez a história pudesse tocar as pessoas e passar a mensagem de que mesmo se você acha que ninguém se importa com você, eles se importam, sim."

A versão que está sendo lançada pelo selo americano é diferente da lançado no Brasil pela gravadora Allegro, com algumas faixas inéditas e uma abordagem mais conceitual, e vem despertando comparações com artistas como Nick Drake e Caetano Veloso.

Orgulho

Muitos podem se perguntar, ao ouvir a história: Será que o selo teria lançado um álbum com as demos de um compositor desconhecido, de 16 anos, se tivesse ouvido o material antes da morte de Yonlu?
"A pergunta é pertinente", disse Evelev. "O fato de que ele não está mais conosco torna particularmente difícil a tarefa de conseguir que as pessoas ouçam esse disco".

"Uma tarefa que teria sido tão mais fácil se este menino incrivelmente talentoso estivesse conosco para dar entrevistas e tocar sua música na frente das pessoas".

"Isso é particularmente triste, o fato de que ele não está por aqui para ver a resposta que sua música está provocando nessas pessoas".

"Teria sido incrível poder fazer seu próximo álbum. Se ele já soava assim aos 16, você já imaginou como seria esse disco?", pergunta Evelev.

Observando a trajetória surpreendente das músicas deixadas pelo filho, Luiz Marques disse que sua primeira reação, ao saber do interesse do selo de Byrne pelo material, foi de orgulho.

Falando à revista americana Sup Magazine, Marques disse que lançar o álbum foi uma decisão artística. "O trabalho de um artista só se completa quando é reconhecido por uma audiência".

Leia mais sobre: Yonlu

    Leia tudo sobre: música

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG