Por Daren Butler e Paul de Bendern ISTAMBUL (Reuters) - Três policiais turcos e três homens armados morreram na quarta-feira num ataque ao consulado norte-americano em Istambul, segundo o governador local.

Testemunhas disseram à Reuters que quatro homens chegaram de carro ao consulado, um prédio moderno protegido por muros altos na zona norte da maior cidade turca, à beira do estreito de Bósforo. Três deles teriam descido do carro e feito disparos contra os policiais de guarda.

O tiroteio, que durou vários minutos, ocorreu por volta de 11h (5h em Brasília), horário de grande movimento no consulado por causa dos pedidos de visto para os EUA.

O governador Muammer Guler disse que um policial morreu no local, e dois outros após darem entrada no hospital. Duas outras pessoas ficaram levemente feridas.

Fontes policiais disseram à emissora CNN Turk que os agressores são do leste da Turquia, suspeitos de ligação com a Al Qaeda. O mesmo canal disse que duas pessoas foram detidas em Istambul por ligação com o ataque, inclusive um irmão de um dos atiradores mortos.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado. A Turquia e os EUA condenaram-no, mas Washington não quis nem acusar a Al Qaeda nem descartar sua participação.

A secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, agradeceu o governo turco pela reação 'rápida e adequada.' O primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, se disse 'enormemente entristecido pelo martírio de nossos três policiais num ataque terrorista.'

A TV local mostrou quatro corpos em torno da guarita do consulado, e paramédicos fazendo massagem cardíaca em um homem.

Um outro rapaz tinha a camisa rasgada, e um terceiro sangrava pela cabeça.

Enis Yilmaz, que ia ao consulado pegar um visto, contou à Reuters que presenciou o momento em que os homens desceram atirando do carro, e que depois viu os três mortos, enquanto o quarto teria fugido dirigindo.

Mutlu Gunes, de 13 anos, contou a jornalistas que ia para a mesquita quando viu vários homens colocando armas dentro de um Ford Focus, já perto do consulado dos EUA. 'Os três saíram do carro. Um deles atirou no peito de um policial, e vi um terrorista se matando depois de ser baleado pela polícia. Aí eu me escondi embaixo de um carro,' contou o garoto.

Em novembro de 2003, 62 pessoas morreram em atentados islâmicos contra duas sinagogas, um banco e o consulado britânico na Turquia.

Em junho de 2004, pouco antes de uma visita do presidente dos EUA, George W. Bush, uma explosão em Istambul matou 4 pessoas e feriu 15.

(Reportagem adicional de Susan Cornwell em Washington)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.