Segurança impede trabalho de profissionais da noite durante Jogos

Restrições a vistos e imposição de horário de fechamento deixaram profissionais da noite de fora de toda a movimentação causada trazida pelos Jogos Olímpicos de Pequim. Segundo o governo chinês, as medidas foram tomadas de olho na segurança.

BBC Brasil |

Nas semana que antecede a abertura da Olimpíada, o governo decretou que bares e restaurantes só poderão operar até às duas e meia da manhã. Além disso, músicos, DJs e garotas de programa estrangeiras que costumavam trabalhar em Pequim não tiveram os vistos renovados pelo governo da China.

As autoridades também fecharam estabelecimentos conhecidos por abrigarem prostitutas ocidentais, como o restaurante Maggie´s no bairro de Chaoyang.

Na China a prostituição é proibida, mas tolerada se restrita a ambientes discretos.

Diferente

"Aqui não tem menina na rua não. Existe prostituição, mas é muito secreto", conta o promoter brasileiro Leo Anjos, conhecido na noite de Pequim por organizar festas latinas.

"É diferente do Brasil. As moças não ficam se mostrando e não há quartos nos estabelecimentos. É simplesmente um bar ou restaurante onde há mulheres bonitas e sozinhas e cabe ao interessado se aproximar, trocar telefones e convidar para sair", explica Anjos.

Tendo morado cinco anos em Miami e agora residindo na China, Anjos acredita que as medidas restritivas são coerentes com a importância dos Jogos Olímpicos e necessárias à segurança do evento.

"Mas é claro, isso incomoda às moças que deixam de trabalhar e aos clientes, que não têm a quem procurar", pondera.

Visto

O colombiano Gustavo Sandoval, conhecido como DJ Tavo, trabalha em Xangai e Pequim e conta que o cenário da capital mudou às vésperas dos Jogos de 2008, porque muitos estrangeiros tiveram de deixar a cidade, pois seus vistos não foram renovados.

"Muitos amigos enfrentaram dificuldades com o visto e saíram. Inclusive eu, mas voltei. É necessário retornar ao país de origem e não se pode permanecer dentro da China por mais de 30 dias", diz.

Nem mesmo músicos freelancers como pianistas de hotéis e bandas cover têm permanecido na cidade. Apenas os artistas estrangeiros especialmente convidados a se apresentar durante a época dos Jogos Olímpicos podem trabalhar livremente.

Táxi

Em Pequim, assim como em qualquer grande cidade do mundo, os taxistas sabem onde levar os turistas.

Um motorista de táxi, que não quis se identificar, diz que realmente restam poucas opções para os visitantes estrangeiros que buscam companhia.

"Depois que o Maggies fechou, tenho sugerido aos turistas que tentem ir a uma dessas discotecas da moda".

"Às vezes tem gente nos arredores do Qixing Dao", diz se referindo a um outro estabelecimento próximo do Maggies em Chaoyang, que também sofreu restrições do governo.

"A maioria das meninas são russas e coreanas. Ainda não vi brasileiras por aqui", conta o taxista.

"Mas quem procura acha. Está difícil, mas não impossível de encontrar umas meninas. Quanto mais não seja, o turista também pode sair com as chinesas", diz Anjos.

Leia mais sobre prostituição

    Leia tudo sobre: prostituição

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG