Seguidores de Zelaya prometem grande protesto nesta quinta-feira

TEGUCIGALPA - Seguidores do presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, convocaram para esta quinta-feira, a ocupação de pontos estratégicos na capital Tegucigalpa, em San Pedro Sula e outras cidades do país, assim como o bloqueio de fronteiras.

EFE |

Um dia depois de Zelaya ter chamado o povo à revolta, dezenas de professores, operários, sindicalistas e integrantes de várias organizações sociais voltaram a marchar pelas ruas de Tegucigalpa para pedir que o líder deposto seja reempossado.

"Em Tegucigalpa, San Pedro Sula (norte) e outras cidades onde houver condições de executar essas ocupações em pontos estratégicos, isso vai acontecer", afirmou Israel Salinas, da Confederação Unitária de Trabalhadores de Honduras (CUTH).

Segundo ele, a medida de pressão "tem que estar combinada com a ação absoluta e total de todos os trabalhadores".

"Haverá tomada de edifícios, de estradas e ninguém trabalhará", afirmou Salinas, que disse esperar coordenar com os sindicatos do setor privado para que se juntem ao protesto.

Segundo ele, organizações de países vizinhos como El Salvador e Nicarágua manifestaram disposição de se juntar nos próximos dias a bloqueios nas fronteiras.

Juan Barahona, da CUTH, confirmou à Agência Efe que estão organizando concentrações na capital hondurenha, assim como em San Pedro Sula, a segunda principal cidade do país, para pressionar pelo retorno de Zelaya, derrubado em 28 de junho por militares.

"Não estamos dispostos a abandonar as ruas, porque é nas ruas onde o povo tem que refletir seu mal-estar e seu repúdio aos golpistas", acrescentou.

Os manifestantes, que partiram do leste de Tegucigalpa, se dirigiram, nesta quarta, para a sede do parlamento, que permanece resguardada por um forte cordão militar.


Leia também


Entenda

Leia mais sobre Honduras

    Leia tudo sobre: golpehondurasprotestos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG