Ségolène Royal critica política de Sarkozy

Paris, 28 jun (EFE).- A ex-candidata socialista ao Palácio do Eliseu, Ségolène Royal, atacou verbalmente hoje o presidente francês, Nicolas Sarkozy, como a intenção clara de assumir um papel de líder dentro do Partido Socialista (PS), ao qual é filiada.

EFE |

"Sarkozy havia prometido uma forma de ruptura e hoje a França sofre um desvio", denunciou Royal em Paris, ao fazer um discurso para o congresso do PS, que deve ser realizado em Reims (nordeste) entre 14 e 16 de novembro.

A governadora da região de Poitou-Charentes, que havia reunido cerca de 800 seguidores - uma parte deles procedentes de seu reduto eleitoral -, criticou "a manipulação do clã Sarkozy".

Royal disse que o conservador chefe de Estado tem uma "política arcaica disfarçada pelos óculos da modernidade, e que é uma mistura de Silvio Berlusconi (presidente do Executivo italiano) com Doc Ginéco (o rapper), que 'presenteou' uma namorada com um relógio de 50 mil euros".

A ex-candidata socialista à Presidência francesa desenvolveu seu discurso, intitulado "Combater e Propor", estruturada em sete capítulos que ilustram sua aposta para chegar à liderança do PS, onde concorre com outros políticos.

"Combater o controle do clã Sarkozy sobre a França; fazer do socialismo uma nova força no século; pôr a economia a serviço dos homens; construir um estado preventivo que ataque as desigualdades; repensar a Seguridade Social para salvá-la; reconhecer a França mestiça como uma oportunidade; lutar pela democracia até o final".

Na quinta-feira passada, a imprensa havia divulgado alguns pontos principais de um livro de Royal que será lançado em 8 de julho, e que servirá para que ela tente assumir a liderança no PS visando à candidatura presidencial em 2012.

Intitulado "Si la gauche veut des idées" (Se a esquerda quer idéias), o livro - um diálogo da própria Royal com o sociólogo Alain Touraine - aconselha o Estado a ser preventivo, a intervir antes, e não depois dos problemas, a fim de prevenir as dificuldades econômicas e sociais. EFE ac/fh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG