BUENOS AIRES - O criticado secretário de Transportes da Argentina, Ricardo Jaime, apresentou sua renúncia ao cargo nesta quarta-feira, dias depois da grande derrota do governo nas eleições legislativas, informou a agência de notícias estatal Telam. O ministro citou razões pessoais para a renúncia, segundo a Telam.


Jaime era funcionário de extrema confiança da presidente do país, Cristina Fernández de Kirchner, e de seu marido e antecessor, Néstor Kirchner. Ele enfrenta denúncias na Justiça por má administração.

Após as eleições de domingo, nas quais o governo perdeu a maioria no Congresso, Cristina disse que não faria mudanças em seu gabinete e reafirmou as metas de sua gestão.

Mas um dia depois da votação, a ministra da Saúde, Graciela Ocaña, deixou o cargo, num momento em que o vírus H1N1, causador da "gripe suína", se dissemina pelo país.

A Argentina é o terceiro país do mundo com maior número de mortes causadas pela gripe. O novo ministro da Saúde disse acreditar que há 43 ou 44 mortos pela nova doença.

A imprensa local indicou também que outros membros do governo estão na corda bamba e poderão deixar seus cargos como consequência da derrota eleitoral de domingo.

Leia também:


Leia mais sobre Argentina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.