Secretário de Defesa dos EUA faz visita-surpresa ao Afeganistão

Por Andrew Gray CABUL (Reuters) - O secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, chegou a Cabul em uma visita não anunciada nesta terça-feira, em meio a dúvidas crescentes sobre o sucesso da estratégia dos Estados Unidos no Afeganistão contra uma insurgência cada dia mais violenta.

Reuters |

Gates vai se encontrar com o presidente Hamid Karzai, que condenou o assassinato de civis por tropas estrangeiras durante perseguição a insurgentes do Taleban, mas apoiou o anúncio norte-americano na semana passada de que os EUA vão mirar esconderijos de militantes no Paquistão.

A visita de Gates acontece após outra aparição surpresa em Bagdá, onde ele transmitiu o comando da guerra no Iraque a um novo general encarregado de manter uma segurança melhor enquanto o número de tropas norte-americanas é reduzido.

Mas no Afeganistão os EUA planejam enviar mais tropas para combater o Taleban, apoiado pela Al-Qaeda. A violência este ano atingiu seu nível mais alto desde a invasão de 2001 por tropas da coalizão lideradas pelos norte-americanos, somando mais de três mil mortes.

Os afegãos também se revoltaram com o aumento das mortes de civis nos últimos meses, e o governo apoiado pelo ocidente procura rever as operações de combate de forças estrangeiras.

Cerca de 1.500 civis afegãos foram mortos nos oito primeiros meses deste ano, muitos em ataques a escolas, clínicas médicas, mercados e outras áreas populosas, disseram as Nações Unidas nesta terça-feira.

Um bombardeio da coalizão liderada pelos EUA na província de Herat, no norte do país, em agosto criou uma cisão entre forças da coalizão de um lado e o governo afegão e a ONU do outro.

O almirante Mike Mullen, chefe do Estado-Maior conjunto dos EUA, declarou ao comitê dos serviços armados do Senado norte-americano neste mês que 'não estou convencido de que estejamos vencendo no Afeganistão'.

Ele disse que bases de militantes na fronteira com o Paquistão seriam alvo de uma mudança na estratégia da guerra.

O Pentágono também está preocupado com sinais de que a Al Qaeda esteja ressurgindo no Afeganistão depois de perder terreno em partes do Iraque.

Os comandantes norte-americanos no Afeganistão solicitaram mais três brigadas de combatentes, ou cerca de dez mil soldados, para ajuda a lidar com a atividade insurgente.

Cerca de 33 mil oficiais norte-americanos integram um total de 71 mil tropas estrangeiras lideradas pela OTAN e pelo Exército dos EUA.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG