Secretário americano vê melhoras em relação com Venezuela

Washington, 13 mai (EFE).- O secretário de Estado adjunto para a América Latina, Thomas Shannon, disse hoje ver os primeiros sinais de melhoria na relação com a Venezuela e o Equador, e insistiu em que o status quo com a Bolívia não funciona para nenhuma das duas partes.

EFE |

Durante a 39ª conferência do Conselho das Américas que aconteceu hoje na capital americana, o diplomata destacou que o retorno de embaixadores a Caracas e Washington "é um primeiro passo muito importante e vital" na relação bilateral com a Venezuela.

"No fim, o sistema interamericano está baseado no diálogo, no respeito mútuo, na resolução pacífica das disputas", afirmou Shannon, que ressaltou que só é possível fazer esses princípios funcionar com "uma representação diplomática plena".

Ele destacou que é exatamente nos momentos difíceis nas relações entre dois países que é mais necessário reforçar a presença diplomática.

No entanto, o diplomata explicou que isso não significa que as diferenças entre Caracas e Washington tenham desaparecido.

"As diferenças que existem entre Estados Unidos e Venezuela e sobre como vemos o mundo, sobre como achamos que é preciso estruturar os Governos e como se comportam é bastante clara", afirmou Shannon.

"Mas, ao mesmo tempo, precisamos encontrar um espaço no qual possamos ter uma conversa", ressaltou o representante dos EUA para a região, que mencionou que a confiança mútua diminuiu ultimamente e expressou a esperança de que a situação mude com a Administração do presidente Barack Obama.

Ele também falou sobre o Equador, outro dos países com os quais os EUA tiveram uma relação tensa nos últimos anos.

Segundo Shannon, o diálogo iniciado recentemente entre a nova chefe da diplomacia americana, Hillary Clinton, e o presidente Rafael Correa foi "muito positivo".

Além disso, afirmou que manter o atual "status quo" com a Bolívia é insustentável.

A situação "não funciona para nenhum de nós", afirmou o diplomata, que disse esperar que os Estados Unidos enviem em breve uma delegação oficial a La Paz para iniciar um diálogo com as autoridades sobre como proceder de agora em diante.

Para o secretário adjunto americano, os três países passaram por mudanças significativas recentes do ponto de vista histórico.

"Têm uma nova liderança, novos atores políticos, novos setores das sociedades que têm vozes significativas que temos que levar em conta quando estabelecemos a relação com eles", afirmou. EFE tb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG