Seca se agrava no Uruguai; incêndios e mais de 500 cabeças de gado mortas

Pelo menos 500 cabeças de gado perdidas, mais de 60 incêndios florestais registrados por dia, perda de plantações e sérias dificuldades para conseguir levar água potável às escolas rurais pautam o agravamento da seca, que há dez semanas castiga o centro, sul e oeste do Uruguai.

AFP |

O vice-presidente uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, classificou de "preocupante" a situação que afeta o campo, disse que a perda de ativos é o "fator principal da crise que o setor agropecuário vive atualmente" e antecipou que, na próxima quarta-feira, o governo divulgará medidas de apoio aos produtores familiares.

"O panorama é penoso por se tratar de uma seca de primavera que não estava nos cálculos de ninguém e acentua o déficit hídrico que data do outono de 2006", afirmou o vice-presidente da Federação Rural do Uruguai, Miguel Bidegain.

Já foram perdidos 50% dos cultivos de verão, como milho e sorgo, a produção leiteira caiu 25%, e pelo menos 500 cabeças de gado morreram de inanição.

O porta-voz da Defesa Civil, Carlos Nicola, alertou que "à medida que a seca persiste, aumenta o material combustível pronto para pegar fogo".

Muitas escolas públicas das zonas rurais estão sendo abastecidas por caminhões-pipa.

fb/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG