Scotland Yard desiste de investigar lordes acusados de vender emendas a leis

Londres, 11 fev (EFE).- A Polícia não investigará o escândalo da suposta cobrança de comissões por parte de membros da Câmara dos Lordes em troca de emendas a leis, informou hoje a Scotland Yard.

EFE |

O Partido Liberal-Democrata tinha enviado o assunto à Polícia depois que o jornal "Sunday Times" revelou em janeiro que quatro membros do Partido Trabalhista, no poder no Reino Unido, ofereceram ajuda a jornalistas que fingiram ser representantes de empresários interessados em modificar leis.

Esses lordes, segundo a publicação, cobravam honorários de até 120 mil libras (cerca de 132 mil euros).

Um dos envolvidos, lorde Truscott, ex-vice-ministro de Energia, admitiu ter favorecido um cliente que vendia medidores de eletricidade e conseguido a alteração de uma lei energética.

Já lorde Taylor of Blackburn reconheceu que ajudou a alterar uma legislação em benefício de outra companhia, enquanto os outros membros dispostos a cobrar pelo "serviço" foram lorde Moonie, ex-vice-ministro da Defesa, e lorde Snape.

No entanto, a Scotland Yard, depois de entrar em contato com a Promotoria do estado (CPR, em inglês), decidiu não iniciar uma investigação, porque a lei aplicada aos lordes neste tipo de situações "não está clara".

"Além disso, há dificuldades muito claras para expor e obter provas nestas circunstâncias no contexto do privilégio parlamentar", explicou a corporação em comunicado. EFE pa/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG