Schwarzenegger alerta para risco de insolvência fiscal na Califórnia

Sacramento, 15 (EFE).- O governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, alertou hoje aos legisladores que o estado corre o risco de entrar em insolvência fiscal em questão de semanas, dada a precária situação de suas contas.

EFE |

Schwarzenegger pediu aos legisladores democratas e republicanos do estado que cheguem logo a um acordo para solucionar o gigantesco déficit fiscal da Califórnia, que supera os US$ 40 bilhões.

Em seu sexto relatório de Governo, Schwarzenegger abandonou o protocolo de outros anos, nos quais tradicionalmente citou avanços e apresentou planos futuros, e concentrou seu discurso no enorme déficit que a Califórnia enfrenta e nas conseqüências da falta de ação dos legisladores.

"O estado está em déficit" e ficará assim "até que resolvamos nossa situação fiscal. A Califórnia está em estado de emergência," disse.

"Tenho muitos planos para a Califórnia. Mas não faz sentido que fale de infraestrutura, de nossos recursos hidráulicos, da educação ou de uma reforma na saúde quando simplesmente não temos dinheiro para colocar tudo em andamento", acrescentou Schwarzenegger.

Schwarzenegger se referiu ao déficit de mais de US$ 40 bilhões de como "uma pedra sobre o peito que não impede a respiração".

Diante da atual situação no estado, o governador pediu aos legisladores que suspendam seus próprios salários e benefícios a cada vez que um orçamento não for aprovado até a data fixada pela Constituição estadual (15 de junho), posto que, nos últimos 20 anos, a lei orçamentária só foi aprovado a tempo quatro vezes.

A proposta foi recebida com silêncio por parte dos legisladores.

"Não gostei do comentário dele", disse Karen Bass, líder democrata da Assembleia e representante democrata de Los Angeles.

"Se o orçamento atrasa é porque existem diferenças verídicas de filosofia e prioridades a serem resolvidas," acrescentou o democrata Darrell Steinberg.

As negociações com os líderes de ambos os partidos não progrediram durante vários meses.

Vários republicanos se recusaram a aceitar um aumento nos impostos, enquanto os democratas aprovaram planos que não solucionam o déficit. EFE vw/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG