Saúde de Kim Jong-il abre debate sobre sucessão na Coréia do Norte

Cecilia Heesook Paek. Seul, 10 set (EFE).- O líder norte-coreano, Kim Jong-il, pode estar seriamente doente, afirma o Governo da Coréia do Sul, o que cria dúvidas sobre quem herdará o poder neste país.

EFE |

Um relatório da agência de inteligência sul-coreana apresentado hoje afirma que Kim sofreu um derrame cerebral, mas que está em "estado recuperável", afirma Won Hye Young, deputado da oposição e membro do comitê de inteligência do Parlamento local, à agência sul-coreana "Yonhap".

O Ministério da Defesa da Coréia do Sul disse não ter detectado nenhuma alteração no Exército norte-coreano e acrescentou que, apesar das especulações sobre o estado de saúde de Kim, não possui informações sobre o mesmo.

O porta-voz presidencial sul-coreano, Lee Dong-kwan, disse à imprensa que Seul vem analisando há muito tempo as informações sobre um eventual "estado crítico" do líder norte-coreano, que não aparece em público desde 14 de agosto.

As especulações sobre o estado de saúde de Kim Jong-il foram levantadas na última terça, por causa da ausência do chefe de Estado nas comemorações dos 60 anos de fundação da Coréia do Norte.

Após toda a imprensa internacional destacar sua ausência no desfile militar, fontes dos serviços secretos americanos afirmaram na última terça sob condição de anonimato que Kim - que sofre de diabetes e problemas cardíacos - teria sofrido um derrame cerebral.

A saúde do líder norte-coreano, que oficialmente desempenha apenas o cargo de presidente da Comissão de Defesa Nacional, está intimamente relacionada ao destino da Coréia do Norte, já que Kim herdou o poder de seu pai, Kim Il-sung, tornando hereditário o regime comunista no país.

Em razão do significado estratégico da saúde de Kim, o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, convocou hoje seus assessores em reunião com caráter de urgência para buscar meios de responder a uma "possível séria doença" do líder norte-coreano.

As autoridades norte-coreanas negaram hoje que o presidente do país esteja doente e chamaram de "conspiração" os rumores sobre um grave estado de saúde de Kim Jong-il.

Segundo a agência japonesa "Kyodo", o número dois do regime norte-coreano, Kim Yong-nam, afirmou que o líder norte-coreano não tem problemas de saúde.

Apesar disto, analistas sul-coreanos também acreditam serem grandes as chances de que os rumores estejam certos, já que Kim nunca deixou de comparecer aos desfiles militares realizados no país desde que assumiu a chefia da Comissão de Defesa Nacional, em 1991.

No entanto, Kim Jong-il permaneceu ausente da esfera pública durante longos períodos de tempo em outras ocasiões.

Agora o que está no ar é a sucessão de Kim, de 66 anos, e que passou a ter o posto mais alto da hierarquia governamental do país em 1994, após a morte de seu pai e fundador do país, Kim Il-sung.

Uma possibilidade é a de que o seu sucessor seja um dos seis filhos de Kim com três mulheres diferentes, sendo três deles homens: Kim Jong-nam, de 36 anos, Kim Jong-chol, de 26 anos, e Kim Jong-un, de 23 anos.

Apesar de Kim Jong-chol parecer o favorito de seu pai, o líder norte-coreano ainda não designou seu sucessor e, segundo os analistas, isto pode provocar o caos na Coréia do Norte caso ocorra uma morte repentina do líder do país.

Em sua edição digital o jornal sul-coreano "Munhwa Ilbo" afirma hoje que o sistema norte-coreano continuará como está, caso Kim Jong-il permaneça doente, mas os líderes militares o substituiriam no poder.

Por outro lado, uma morte repentina de Kim poderia provocar um vazio de poder no regime comunista, e o setor militar veria sua força reduzida. EFE ce/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG